Maior entidade esportiva do futebol, a Uefa parece não conseguir se livrar de um problema cada vez mais latente na sociedade europeia: o racismo. Na noite desta segunda-feira (14), o jogo entre Bulgária e Inglaterra, válido pelas Eliminatórias da Euro 2020, precisou ser paralisado por duas vezes por conta de cânticos racistas entoados pelos torcedores búlgaros. No final, a vitória inglesa por 6 a 0 foi a resposta, dentro de campo, para o deplorável gesto de parte dos torcedores nas arquibancadas.

Fotos: Reprodução

"Nós confirmamos que nossos atletas foram submetidos a abomináveis cânticos racistas enquanto jogavam contra a Bulgária. Isso é inaceitável em qualquer nível do jogo, e nosso foco imediato é dar suporte aos atletas e staff. Como sabemos, infelizmente essa não é a primeira vez que nossos jogadores são submetidos a esse tipo de abuso e não há lugar para esse tipo de comportamento em nossa sociedade, muito menos no futebol. Pediremos à Uefa para investigar o caso imediatamente", disse a Federação Inglesa de Futebol (FA), em comunicado logo após a partida.

O racismo surgiu ainda com 22 minutos de jogo, quando o lateral Tyrone Mings pegou a bola e começou a ouvir sons que imitavam um macaco. Ele reclamou com o auxiliar sobre o ocorrido. Depois, no intervalo do jogo, o capitão búlgaro, Ivelin Popov, se dirigiu até a arquibancada pedindo para os torcedores respeitarem os ingleses. Curiosamente, Popov havia sido garoto-propaganda de uma ação búlgara no último final de semana pedindo o fim da discriminação nos estádios de futebol.

Como os cantos dos torcedores não cessaram, o árbitro paralisou o jogo após intervenção do treinador inglês Gareth Southgate. O jogo ficou parado por seis minutos até que os torcedores se silenciassem. No campo, a Inglaterra foi avassaladora, fazendo 4 a 0 no primeiro tempo e completando a goleada na etapa final.

"Infelizmente, por causa do que acontece em nosso próprio país, eles são endurecidos pelo racismo. Eles estão no vestiário sorrindo, porque jogaram muito bem e viram que deram a resposta em campo", afirmou Southgate, após o jogo.

LEIA MAIS: Análise: Uefa não faz nada além de ação fraca de marketing

Apesar da enorme repercussão do caso, a Uefa até o momento não se pronunciou. A entidade tem feito uma grande campanha pedindo respeito, mas raramente as punições contra atos racistas inibem o torcedor de cometer discriminação durante as partidas. Tanto que, nas imagens mostradas pela TV durante a paralisação do jogo, torcedores faziam a saudação nazista e ainda empunhavam uma camisa com os dizeres "No Respect", satirizando a campanha da Uefa.


Notícia Uefa racismo Inglaterra Bulgária futebol torcida preconceito