O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai financiar parte da obra do Morumbi para a Copa do Mundo de 2014. A informação foi confirmada nesta segunda-feira por Juvenal Juvêncio, presidente do São Paulo, time que é dono da arena. Criado em 1952, o BNDES é um órgão do governo federal que atua em financiamentos de longo prazo para projetos que tenham como meta o desenvolvimento de alguma esfera social do país. A diretoria do São Paulo tem conversado sobre um empréstimo para concluir as intervenções necessárias no Morumbi, mas estipulou que a negociação dependia de condições especiais de juros. ?Nós temos parceiros chegando, e vamos contar com o BNDES. Acho engraçado as pessoas questionarem o investimento deles no Morumbi. Por que eles podem financiar a Daslu, que é uma loja de luxo, e não o futebol, que mexe com o homem do morro, das palafitas e dos pés descalços??, questionou Juvêncio. Inicialmente, o projeto do Morumbi foi orçado em R$ 300 milhões. Contudo, esse valor pode ter sofrido após a Fifa ter pedido modificações no projeto ? na semana passada, a reunião de representantes da entidade com o comitê organizador de São Paulo foi a mais longa entre as sabatinas com as 12 cidades que estarão na Copa. As cidades devem apresentar à Fifa ainda neste ano os nomes dos financiadores de seus projetos para a Copa do Mundo. A ideia do São Paulo é usar sua rede de parceiros comerciais para levantar uma parte do dinheiro e conseguir o restante no BNDES. ?Vamos ter um financiamento deles para a cobertura. Problema resolvido. Isso não é pegar dinheiro público para uma obra privada, até porque o BNDES não é público. Pegaremos emprestado de um banco?, concluiu o presidente do São Paulo. A cobertura é um dos pontos mais complicados no projeto do Morumbi para o Mundial. Prova disso é que o modelo inicial já foi abandonado, e a diretoria do São Paulo buscou opiniões de empresas especializadas nesse tema para tentar encontrar uma solução. Nesta segunda-feira, Juvenal Juvêncio teve um encontro com representantes da empresa alemã que fez a cobertura do Estádio Olímpico de Berlim. Assim como o Morumbi, a arena tem pista de atletismo e reclamações sobre pontos cegos. Por conta disso, aliás, essa companhia deve levar a melhor na concorrência.


Notícia São Paulo Gestão