Depois de ver ameaçada a realização do Mundial de Futsal no Rio de Janeiro, o governador Sérgio Cabral assumiu a injeção de R$ 9 milhões para a organização do evento na cidade. Inicialmente, esse valor seria de responsabilidade da Prefeitura. Em reunião com o secretário estadual de Esportes e Turismo, Eduardo Paes, e com presidente da Comissão de Futsal da Fifa, Ricardo Teixeira, Cabral também optou por mudar o local onde seriam disputados os jogos. A Rioarena, que já tinha efetuado a reserva para a competição, cederá o lugar para o ginásio do Maracanãzinho, que é administrado pela Suderj, de autarquia estadual. Com a definição do imbróglio, o Rio foi confirmado como a sede de 26 partidas da competição, entre as quais as semifinais, a decisão do terceiro lugar e a disputa pelo título. A realização do Mundial no Rio era um desejo da Fifa, que aportou cerca de R$ 100 milhões no evento, mas que chegou a ameaçar tirar o torneio do Brasil por quebra de contrato. De acordo com Hideraldo Martins, superintendente da Confederação Brasileira de Futsal (CBFS), o investimento ?interno? foi de R$ 54 milhões. O Mundial de Futsal será disputado entre os dias 30 de setembro e 19 de outubro no Rio e em Brasília. Segundo a Fifa, mais de 150 países já compraram os direitos de transmissão do evento.


Notícia Gestão