O Reino Unido decidiu tornar obrigatório por lei a transmissão em TV aberta da Copa do Mundo feminina, da FA Cup feminina e também dos Jogos Paralímpicos.

A ótima campanha da seleção feminina da Inglaterra, que terminou na quarta colocação da Copa do Mundo de 2019 e os belos números de audiência conquistados despertaram o interesse do governo britânico para que os jogos femininos também alcancem um público maior e possam servir de exemplo para as futuras gerações de mulheres da região que envolve Inglaterra, Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales.

“O esporte tem um poder único de unir um país. Mas, para potencializar a capacidade de inspirar, nossas joias da coroa esportiva devem refletir a diversidade de talentos esportivos em todo o país", disse Jeremy Wright, secretário de Estado do Reino Unido para o mundo digital, cultura, mídia e esporte.

Copa teve recorde de audiência - Foto: Divulgação/Fifa

A decisão representa uma mudança na lista de esportes obrigatórios para serem exibidos na TV aberta após mais de 20 anos. Essa lista é formado por um grupo de eventos, como Copa do Mundo masculina, Jogos Olímpicos, o torneio de Wimbledon, as finais da Copa da Escócia e da FA Cup.

Os eventos são divididos em duas categorias de obrigatoriedade de exibição. Uma, chamada de categoria A, obriga a transmissão do evento ao vivo. A outra, a categoria B, só os melhores momentos.

No ano que vem, a Paralimpíada de Tóquio já deverá cumprir essa norma. A Copa do Mundo ainda vai passar por um debate para decidir em qual grupo a competição será incluída.

“Adicionar os Jogos Paralímpicos na lista coloca o evento no mesmo patamar. Eu também gostaria de ver maior igualdade de cobertura entre homens e mulheres na TV. Ainda vamos debater sobre adicionar a equidade na transmissão dentro dos eventos que já fazem parte da lista”, complementou Wright.

A Copa do Mundo feminina bateu recordes de audiência na Inglaterra, chegando a alcançar mais de 28 milhões de pessoas. O duelo de semifinal entre Inglaterra e Estados Unidos teve mais de 11 milhões de pessoas na audiência, a maior da história do esporte no Reino Unido.


Notícia Mídia Marketing Futebol Feminino Inglaterra