O Comitê Organizador da Copa do Mundo do Qatar anunciou, nesta terça-feira (21), a criação de 16 hotéis flutuantes próximos ao Estádio Internacional Lusail, que abrigará a abertura e a final da Copa. A notícia serve como mais um passo e até uma resposta aos desafios de acomodação que o país enfrenta para atender as exigências da Fifa.

Os hotéis serão erguidos em uma estrutura flutuante na Ilha Qetaifan do Norte e poderão ser usados posteriormente em qualquer lugar. Cada um terá quatro andares, 72 metros de comprimento e 16 metros de largura, e será composto por 101 quartos, um restaurante e um lounge bar.

Foto: Reprodução

Segundo o site SportBusiness, a responsável pelos hotéis será a Sigge Architects, premiada firma de arquitetura finlandesa. Cada um dos prédios será construído de acordo com os mais rígidos padrões de energia, com base na energia solar.

"É a primeira vez que imóveis puramente flutuantes são usados ​​como uma solução temporária para as necessidades de acomodação nessa escala. Esses hotéis não exigem grandes portos e águas profundas, pois seu calado é significativamente menor que os grandes navios de cruzeiro. Após a Copa do Mundo, os hotéis podem ser colocados em qualquer local costeiro onde a água tenha pelo menos quatro metros de profundidade. Estamos entusiasmados por fazer parte da solução para a quantidade de acomodações necessárias para a Copa do Mundo da Fifa de 2022", revelou Mikael Hedberg, executivo-chefe da Admares, empresa especializada em projetos imobiliários alternativos que também está envolvida no projeto.

Vale lembrar que, além dos 16 hotéis, que disponibilizarão 1.616 quartos, haverá dois navios de cruzeiro atracados no Qatar durante a realização do Mundial, de 21 de novembro a 18 de dezembro de 2022. A ideia faz parte de uma parceria fechada em novembro do ano passado entre o Comitê Organizador e a MSC Cruzeiros. Os dois navios adicionarão cerca de 4 mil camas extras ao país asiático. 


Notícia Copa do Mundo Qatar 2022 hotéis flutuantes acomodação estratégia organização marketing mercado