A ESPN, por meio da espnW, se uniu à Penalty e à Netshoes para lançar o projeto “Inequality Balls” (Bolas da Desigualdade, em tradução livre). A campanha, idealizada pela agência Africa, é uma sequência da ação realizada no ano passado, em que o canal procura chamar a atenção para as diferenças entre homens e mulheres no esporte, encerrando a série de ações em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado no dia 8 de março.

Foto: Divulgação

A ideia do projeto é evidenciar o abismo existente entre investimentos, premiações e salários entre os gêneros. Simbolicamente, as bolas de diversos esportes representam exatamente essa diferença. Recentemente, a própria ESPN anunciou que vai ampliar sua oferta de esportes femininos com a compra dos direitos do Campeonato Italiano e a Liga dos Campeões de vôlei, além da Liga dos Campeões de futebol feminino.

“A ESPN se orgulha de ter levantado essa bandeira de forma pioneira. A plataforma espnW completou dois anos no Brasil e hoje é um pilar importante para a nossa marca. O esporte feminino é um dos pilares do canal ESPN Extra, e cresce a cada ano o número de mulheres que acompanha nossas transmissões e programas na TV e no digital. Nós iremos sempre buscar o melhor pelos fãs de esporte”, afirmou Leandro Simões, gerente de marketing da ESPN.

O projeto das Bolas da Desigualdade teve um filme lançado na última quinta-feira (29) com algumas das atletas e ex-atletas mais importantes do esporte feminino do país. Entre elas estão Jaqueline Silva, Virna Dias, Betina Schmidt e Camila Brait, do vôlei; Alline Calandrini, do futebol; e Marisa Cintra, do futebol freestyle. As bolas foram produzidas pela Penalty e serão vendidas pela Netshoes. Toda a renda será revertida para a ONG Think Olga, conhecida por lutar pelo empoderamento feminino.

“Transformar nosso produto em um símbolo contra a desigualdade está 100% alinhado com o posicionamento da Penalty, pois acreditamos no poder transformador e inclusivo de uma bola. O esporte é democrático, une pessoas. Acreditando na performance da mulher no esporte, a Penalty já atua com produtos voltados para o público feminino, com bolas desenvolvidas com base na anatomia da mulher, oferecendo melhor desempenho às atletas. Acreditamos que o espaço no esporte destinado a homens e mulheres deva ser igual e precisamos que todos aqueles que fazem parte do incentivo à prática esportiva discutam um projeto concreto de inclusão e de igualdade entre gêneros”, declarou Guilherme Ken, head de produtos e marketing da Penalty.

Foto: Reprodução

“Estamos muito felizes em participar dessa ação e poder levar a Inequality Balls para todo o Brasil. A Netshoes sempre está atenta a novas oportunidades a fim de inspirar e transformar a vida das pessoas com mais esporte e lazer. Essa é uma iniciativa importante que busca democratizar, apoiando a igualdade entre gêneros nas categorias esportivas e segue com o nosso posicionamento de marca que é conectar as pessoas ao esporte”, concluiu André Shinohara, CSMO da Netshoes.

Vale lembrar que o projeto surgiu em 2017, como uma resposta aos resultados de uma pesquisa produzida pelo jornal britânico Sporting Intelligence. O relatório feito com 465 times de 29 ligas, em 16 países e 9 modalidades diferentes evidenciou que a disparidade está presente em todos os esportes. No basquete, por exemplo, uma jogadora ganha até 96 vezes menos que um jogador do mesmo nível técnico.

Maiores informações podem ser encontradas no site www.inequalityballs.com.

Abaixo, assista ao vídeo da campanha:

 


Notícia ESPN espnW Penalty Netshoes Bolas da Desigualdade Inequality Balls gênero esporte investimento salário patrocínio