Nesta quarta-feira, terá início a Galvão Bueno Invitational Embrase de Golfe que, segundo a organização, será o maior torneio amador da modalidade na América do Sul. Além do nome do narrador da Globo, está por trás do projeto a empresa especializada em segurança, que na última década tornou o esporte uma das principais plataformas de negócio.

A Embrase, que também dá nome ao torneio, investe no golfe desde 2008. Durante esses anos, foram mais de 50 eventos patrocinados pela companhia, com um investimento de R$ 24 milhões. E, pelo cálculo da empresa, o retorno do investimento foi de R$ 350 milhões. Essa é a quantia angariada em negócios que envolveram clientes aproximados por meio das partidas arcadas pela marca.

À Máquina do Esporte, o diretor comercial da Embrase, Douglas Delamar, explicou a necessidade da companhia. “Empresas de segurança costumam ser meio obscuras, com ex-militares e policiais que nem sempre a pessoa confia. Estar no golfe é um modo de deixar a marca mais elegante, mais amigável”, comentou.

“Durante uma partida de golfe, temos quatro horas, quatro horas e meia ao lado de empresários. É um modo de aproximação, de ganhar confiança. Quando ele precisa de uma empresa de segurança, a decisão vem naturalmente”, complementou o executivo.

Hoje, os investimentos da Embrase no golfe estão divididos entre os torneios e um centro de treinamento para incentivar novos atletas, na busca de um futuro profisisonais de renome. Para a empresa, um grande golfista brasileiro seria importante para popularizar o esporte e, por consequência, aumentar as possibilidades de negócio com as competições amadoras patrocinadas pela companhia.

 


Notícia Embrase Golfe Galvão Bueno