Ninguém segura os chineses no futebol. Ao menos fora de campo. Após uma Copa do Mundo considerada um “divisor de águas” para o país, na qual se tornou a nova “queridinha” comercial da Fifa, a China pode sediar o Mundial de Clubes organizado pela entidade em 2019 e 2020.

De acordo com a agência oficial de notícias do governo chinês Xinhua, em uma reunião realizada em Moscou durante a Copa do Mundo, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, disse a Jack Ma, fundador e presidente do grupo Alibaba, gigante do e-commerce chinês e mundial, que há uma “grande chance” de a China se tornar sede do torneio nos próximos dois anos.

Também presente na reunião, o executivo-chefe da divisão esportiva do Alibaba, Zhang Dazhong, afirmou que “foi um diálogo muito empolgante entre os empresários chineses e o presidente da entidade que controla o futebol mundial”.

Foto: Reprodução

Se a informação se confirmar, será mais um passo na aproximação cada vez maior entre o país asiático e a entidade responsável pelas principais competições de futebol do mundo. Os laços tornaram-se bastante estreitos durante todo o período pré-Copa do Mundo e ainda mais no decorrer do torneio que se encerrou no último domingo (15).

Vale lembrar que a relação do próprio grupo Alibaba com a Fifa já vem de alguns anos. Em 2015, o braço automotivo do grupo, o Alibaba E-Auto, assinou um contrato de parceria de dois anos pelos naming rights do Mundial de Clubes. Já em 2017, foi a vez do Alibaba Cloud, braço do grupo para o setor de computação em nuvem, fechar por cinco anos com a entidade também pelos naming rights do torneio.

Enquanto a China tenta se colocar com força ainda maior no torneio da Fifa, o próprio Mundial de Clubes ainda tem futuro incerto. Gianni Infantino quer expandir a competição para 24 clubes e disputá-la apenas de quatro em quatro anos a partir de junho de 2021. Além disso, haveria uma “Liga Mundial das Nações”, que terminaria em um torneio de oito clubes a ser realizado de dois em dois anos.

Especula-se que as novas ideias estejam encontrando forte oposição, em especial da Uefa, que teme que o possível novo Mundial de Clubes tenha impacto negativo sobre a cada vez mais lucrativa Liga dos Campeões. Por esse motivo, nada foi concluído antes da disputa da Copa da Rússia, o que era o desejo de Infantino.

Em 2018, assim como em 2017, a realização do Mundial de Clubes está confirmada para os Emirados Árabes Unidos.


Notícia Fifa Mundial de Clubes China Alibaba marketing patrocínio Copa do Mundo gestão mercado estratégia