Adam Silver, principal executivo da NBA, foi pressionado por políticos e empresários chineses para demitir Daryl Morey, gerente geral do Houston Rockets, após a publicação de um tuíte defendendo maior liberdade para Hong Kong.

Foto: Reprodução

A revelação foi feita pelo próprio Silver durante um evento realizado pela revista Time em Nova York. Segundo o executivo, após a sua manifestação defendendo a liberdade de expressão de Morey, ele passou a ser cobrado para que o dirigente fosse demitido. Como não aceitou a ingerência, a liga passou a sofrer um boicote dos chineses, que hoje têm negócios de cerca de US$ 4 bilhões anuais com a NBA.

"As consequências financeiras são bastante dramáticas e podem continuar a ser. Nossos jogos ainda não estão aparecendo na China e vamos ver o que acontece", disse Silver.

LEIA MAIS: Houston Rockets perde parceiros na China após tuíte sobre Hong Kong

LEIA MAIS: Crise política com Hong Kong faz China decidir boicotar NBA

LEIA MAIS: China proíbe NBA de dar entrevista após amistoso no país

LEIA MAIS: Tuíte segue "causando", e 12 marcas chinesas rompem com NBA

LEIA MAIS: Após crise política, NBA se cala ao final do tour pela China

LEIA MAIS: LeBron critica tuíte e reacende polêmica da NBA com a China

LEIA MAIS: Análise: Lições da crise entre NBA, China e LeBron James

De acordo com o executivo, funcionários do governo chinês e líderes empresariais pediram a demissão de Daryl Morey, o que foi rechaçado pelos donos das franquias da NBA.

 "Dissemos que não havia razão para que isso acontecesse. Nem mesmo para puni-lo", completou Adam Silver.

Desde 4 de outubro, a NBA trava uma batalha com os chineses. Os dois jogos de pré-temporada que aconteceram na China não foram exibidos no próprio país asiático. A temporada regular começa na próxima terça-feira (22), e a expectativa é de que a estatal CCTV volte a exibir as partidas, como já acontece com a empresa de streaming Tencent. Até agora, os 12 patrocinadores chineses da NBA seguem rompidos com a liga.


Notícia NBA China Hong Kong LeBron James polêmica crise política mercado chinês governo chinês basquete