A LaLiga anunciou nesta segunda-feira (11) que fechou três sites que comercializavam o sinal do torneio no Brasil. Para isso, contou com a colaboração da LtaHub, consultoria especializada em proteção de conteúdo on-line na região da América Latina. Juntas, as plataformas obtinham mais de meio milhão de visitas mensais, com cerca de 8 mil assinantes ilegais.

Foto: Reprodução

De acordo com a LaLiga, com a ajuda da LtaHub, foi possível exigir dos infratores a retirada definitiva do conteúdo audiovisual do torneio espanhol, o fim de todas as atividades ilegais, a entrega de equipamentos e a transferência dos domínios. Além disso, os infratores assumiram o compromisso de não cometer mais infrações, além de colaborar para detectar possíveis fontes ilegais a eles vinculadas.

A ação liderada pela LaLiga junta-se a outras recentemente feitas no Brasil, em que quatro grandes sites ilegais de streaming com alto índice de popularidade foram desmantelados e fechados. Essas plataformas acumulavam mais de 43 milhões de visitas mensais e quase 14 milhões de usuários únicos por mês.

"A LaLiga, como membro da indústria do entretenimento, está fazendo a sua parte para acabar com esse problema, que afeta não apenas o futebol mas milhares de pessoas que vivem dele. A pirataria audiovisual é um crime, coloca em risco o futuro do futebol, da competição e de todos os esportes. Além disso, muitas pessoas dependem direta e indiretamente desse setor. Portanto, temos o firme compromisso de continuar lutando contra a pirataria", declarou Melcior Soler, diretor do setor audiovisual da LaLiga.

"A pirataria de conteúdo digital é a forma mais prejudicial de concorrência desleal, usurpando os frutos do trabalho árduo de milhões de pessoas engajadas na indústria do futebol em todo o mundo. O fechamento destas três plataformas que tinham uma audiência importante e um enorme potencial de danos, demonstra não só a importância que a luta contra a pirataria tem para a LaLiga mas também o fato de que este crime não tem porto seguro na América Latina", afirmou Ygor Valerio, CEO da LtaHub.

Vale lembrar que a LaLiga trabalha diariamente contra a pirataria audiovisual. Na Espanha, a entidade solicitou o fechamento de 31 páginas e já obteve êxito com 17 delas. Aos poucos, o trabalho vem sendo ampliado internacionalmente para mais de 40 países, com um dos focos principais sendo a América Latina por conta da quantidade de fãs que a LaLiga possui na região.


Notícia LaLiga luta pirataria LtaHub mídia transmissão direitos