O projeto de redução de investimentos de empresas públicas no esporte que tomou o governo federal sob comando de Jair Bolsonaro parece não ter afetado uma instituição: o Banco do Brasil. Na contramão das outras estatais, que encerraram ou reduziram drasticamente os investimentos, o BB é o único a continuar com seu programa de patrocínio esportivo em 2019.

Nesta terça-feira (21), o banco anunciou o lançamento do 3° Circuito de Corridas de Rua patrocinado pela instituição. A partir de julho, dez cidades brasileiras receberão a etapa do circuito de corridas de rua, projeto voltado para incentivar a prática da corrida em família. Toda etapa possui, além de circuitos de 5km e 10km, um percurso de apenas 1km, que é exclusivo para crianças até 14 anos de idade.  

Foto: Divulgação / Banco do Brasil

Além da manutenção do circuito de corridas, o Banco do Brasil não deu indícios de que vai cortar o seu maior investimento no esporte, o patrocínio à Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). O banco paga cerca de R$ 54 milhões ao ano para ser o principal apoiador do vôlei brasileiro. O contrato seguirá, ao menos, até 2020.

O movimento do BB é exatamente o oposto daquele tomado pela Caixa. O outro banco estatal do país retirou completamente a verba do esporte, mantendo apenas o vínculo ainda vigente com a Liga Nacional de Basquete (LNB). O banco investia muito mais que o BB. Eram cerca de R$ 200 milhões no futebol, além de corrida de rua, atletismo, esportes paralímpicos, entre outras entidades e eventos esportivos.

Na última semana, o Presidente da República também confirmou que a Petrobras romperá o acordo que tem com a equipe McLaren de Fórmula 1. A estatal já havia retirado os investimentos de outras modalidades que patrocinava.

Se segue na contramão dos projetos de marketing do atual governo, o Banco do Brasil pelo menos respeita sua história de investimento em esporte. A instituição foi a primeira empresa estatal a enxergar no patrocínio esportivo uma brecha para o crescimento institucional. Em 1991, o banco foi a primeira estatal a investir num projeto nacional de patrocínio esportivo, iniciando o acordo com a CBV, até hoje o mais antigo contrato de patrocínio do país. Antes dele, desde 1987, a Petrobras tinha o Flamengo como plataforma de comunicação dentro do esporte.

Com o investimento do BB no vôlei coroado pela conquista da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 1992, as estatais passaram a enxergar no esporte um meio de promover e rejuvenescer suas marcas. Nos anos seguintes, várias empresas do governo abraçaram confederações. Mas foi a partir da escolha do Brasil como sede olímpica, em 2009, que os investimentos estatais tiveram seu maior salto.


Notícia Banco do Brasil estatal governo patrocínio corrida de rua marketing esportivo mercado Caixa Petrobras