A MLS, liga de futebol dos Estados Unidos, está otimista para a próxima negociação de televisão. A entidade espera um novo salto nos valores pagos pelas emissoras, em movimento motivado pela entrada de empresas focadas na transmissão por streaming.

LEIA MAIS: Abertura da NFL bate recordes de audiência nos EUA

"Nas negociações para 2022, as plataformas digitais entrarão com mais peso. Isso é uma informação quase confidencial, se não fosse uma tendência em todo o mundo", comentou o vice-presidente de comunicação do Orlando City, Diogo Kotscho, em palestra realizada na Brasil Futebol Expo, em São Paulo, na última semana.

Foto: Reprodução

Atualmente, a MLS conta com a parceria de três emissoras para o mercado americano: ESPN, Fox e Univision. Na época da assinatura, o acordo representou o triplo em relação ao valor passado. Até 2014, a liga recebia US$ 30 milhões pelos direitos de transmissão. No acordo atual, válido entre 2015 e 2022, a quantia passou para US$ 90 milhões.

A MLS ainda conta com uma receita modesta de televisão em comparação às outras ligas americanas, mas, com audiência crescente, o novo salto tem sido pensado há alguns meses. Em março, a entidade pediu aos times que não fechassem acordos locais de televisão. A ideia é evitar esses contratos, que rendem pouco, para valorizar as plataformas digitais.

LEIA MAIS: Dallas Cowboys é time mais valioso da NFL pela 13ª vez seguida

Uma demonstração de abertura das emissoras para o futebol aconteceu em agosto, quando a ESPN anunciou a transferência da final da MLS Cup para a ABC, também pertencente à Disney. Dessa maneira, o evento retornará à televisão aberta nos Estados Unidos após 11 anos.

Para os clubes, o novo salto financeiro deve representar uma mudança significativa da qualidade do produto. Nos anos mais recentes, a MLS tem deixado de lado as estrelas veteranas para apostar em atletas mais jovens. A ideia, com isso, é conseguir tornar o nível das partidas mais alto. Com mais dinheiro, o plano deve ir além.

"Os grandes jogadores começarão a querer jogar na MLS. Talvez ainda não seja a hora de vir craques do Barcelona ou do Real Madrid. Mas quem não estiver no topo da Europa, estará nos Estados Unidos", apostou Kotscho.


Notícia MLS receita televisão streaming finanças estratégia gestão mercado