Apesar de muitas especulações nos bastidores, o Milan deverá renovar com a Emirates para que a companhia aérea siga como patrocinadora máster do clube na próxima temporada. No entanto, a boa notícia virá acompanhada de uma má notícia, já que o novo acordo valerá menos do que o atual. As informações são do jornal italiano Gazzetta dello Sport.

Segundo a publicação, o atual contrato do Milan com a Emirates, que terminará ao final desta temporada, rende € 14 milhões mais bônus ao clube rossonero por ano. A renovação, porém, deve chegar no máximo a € 10 milhões mais bônus por ano, o que deve complicar a ideia do clube de se reforçar para a temporada 2020/2021.

Foto: Reprodução / Twitter (@acmilan)   

Um dos principais motivos para a redução do valor é a ausência do time da Champions League desde 2014. Segundo maior vencedor da história da competição, com sete títulos, atrás apenas do Real Madrid, que tem 13, o Milan não tem feito boas campanhas nem na Serie A, o Campeonato Italiano, motivo pelo qual não consegue classificação para a principal competição de clubes da Europa há tanto tempo.

Para piorar, o gigante italiano ainda tem perdido terreno no mercado para equipes de menor expressão. Na semana passada, após deixar o PSG no final da temporada 2018/2019, a Emirates anunciou sua volta ao futebol francês em um acordo com o Lyon que valerá a partir de 2020/2021. O valor do contrato é de € 20 milhões anuais e foi assinado até o final da temporada 2024/2025. O dinheiro equivale ao dobro do que o Milan deverá ganhar a partir da próxima temporada em um contrato que não deve ser tão longo.

Apesar de nem se comparar em termos de história no futebol europeu com o Milan e de nunca ter chegado sequer perto de uma final de Champions League, o Lyon vem sendo figurinha carimbada na competição praticamente todos os anos, quase sempre chegando à fase de oitavas de final. Na atual temporada, duelará contra a Juventus, grande rival do Milan, por uma vaga nas quartas de final.


Notícia Milan Emirates patrocínio renovação marketing mercado finanças Lyon Champions League