A temporada 2019 da Fórmula 1 está chegando ao final neste final de semana com o GP dos Emirados Árabes Unidos, em Abu Dhabi, mas a temporada 2020 não para de esquentar. Além de já ter os 20 pilotos do grid já definidos para o ano que vem, a categoria ainda vê as equipes trabalharem nos bastidores para aumentar as receitas e também garantir maior visibilidade de suas marcas na temporada que se aproxima.

Na última quarta-feira (27), por exemplo, a Red Bull anunciou a renovação da parceria com a Honda para fornecimento de motores. E nesta sexta-feira (29) foi a vez da McLaren anunciar uma novidade: a escuderia britânica fechou com a Tumi, marca americana especializada na fabricação de malas e bolsas de alto padrão, que será parceira oficial de malas da equipe no ano que vem.

Foto: Reprodução / Twitter (@McLarenF1)

"Como a McLaren, a Tumi está constantemente buscando ser a melhor em tudo que faz através da otimização e inovação. As viagens e o estilo de vida são fundamentais para a Fórmula 1 ser o esporte que é, portanto nossa nova parceria com a Tumi é perfeita", afirmou Zak Brown, diretor executivo da McLaren Racing.

"Na Tumi, orgulhamo-nos de entender verdadeiramente nossos clientes, além de ter a previsão de desenvolver produtos que atendam às crescentes necessidades de viagens. Acreditamos que a parceria com a McLaren para trazer suas tecnologias leves e de ponta para uma coleção colaborativa apoiará a missão da Tumi de fornecer soluções de alto desempenho e produtos inovadores que otimizem as viagens da equipe como um todo", declarou Rob Cooper, presidente da Tumi.

Pelo contrato, que não teve duração nem valores divulgados, a marca americana ganhará visibilidade física e digital como parceira oficial da escuderia britânica. As duas partes pretendem lançar uma coleção de malas no final de 2020 que reúna "qualidade incomparável, inovação técnica e excelência em design". A McLaren afirmou, em nota, que dará mais detalhes da parceria no início do ano que vem.


Notícia McLaren Tumi malas parceria marketing visibilidade mercado F1 Fórmula 1