A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) divulgou, nesta quinta-feira (17), as escolhas da entidade sobre as sedes das finais únicas da Copa Libertadores e da Copa Sul-Americana de 2020. Enquanto a final da Sul-Americana será no Estádio Mario Kempes, em Córdoba, na Argentina, a decisão da Libertadores terá o Maracanã como palco.

A definição chega como uma espécie de "presente" para o estádio carioca, que completará 70 anos justamente no ano que vem. A partida que decidirá o campeão do maior torneio do continente será disputada no dia 21 de novembro de 2020. A final da Sul-Americana será duas semanas antes, no dia 7 de novembro.

LEIA MAIS: Análise: Maracanã é zona de conforto para Conmebol

Para se garantir como sede, o Maracanã precisou derrotar sete concorrentes: o próprio Estádio Mario Kempes, o Estádio Nacional de Lima (Peru) e os também brasileiros Arena Corinthians, Arena do Grêmio, Beira-Rio, Mineirão e Morumbi.

Foto: Reprodução / Twitter (@LibertadoresBR)

"Acabamos de receber o Rock In Rio, com 800 mil pessoas e nenhum problema. Nossa política de segurança vai garantir que a final da Libertadores seja uma festa segura. Vamos preparar um espetáculo também para quem não for ao jogo, com fan fests e outras atrações. Em vez das 76 mil pessoas que forem ao estádio, será uma festa para 200 mil pessoas", prometeu Wilson Witzel, governador do Rio de Janeiro, em entrevista ao Grupo Globo.

O ano de 2020 será o segundo em que a Conmebol usará a estratégia de final única nas duas principais competições organizadas pela entidade. A estreia do modelo será este ano, com a final da Sul-Americana no Estádio La Olla Azulgrana, em Assunção, no Paraguai, e a final da Libertadores no Estádio Nacional, em Santiago, no Chile.

A decisão do ano que vem será apenas a segunda em que o Maracanã verá o campeão da Libertadores ser definido em seus domínios. A primeira e única vez que isso aconteceu foi em 2008, quando a LDU bateu o Fluminense nos pênaltis e conquistou o título. Em outras duas ocasiões, o estádio recebeu a partida de ida de uma final, mas não viu o campeão ser decidido naquele dia. Isso ocorreu em 1963 (Santos x Boca Juniors) e em 1981 (Flamengo x Cobreloa). 

Foto: Reprodução / Twitter (@LibertadoresBR)


Notícia Conmebol Libertadores Sul-Americana Maracanã Estádio Mario Kempes final única decisão estratégia gestão mercado