Em janeiro de 2018, a Máquina do Esporte informou que a Adidas não renovaria o contrato histórico que possuía com a Uefa para os uniformes de arbitragem dos torneios organizados pela entidade e que terminaria ao final desta temporada. À época, as favoritas para substituir a marca alemã eram Nike, Puma e Under Armour. Mas a Macron veio correndo por fora e fechou um contrato de três anos com o órgão europeu.

Dessa forma, até o final da temporada 2021/2022, a fabricante italiana vestirá árbitros de campo, assistentes e também os árbitros de vídeo. O contrato engloba competições como Liga dos Campeões, Liga Europa e Supercopa da Europa (todas entre clubes) e a Euro (entre seleções).

Foto: Reprodução / Site (dutchreferee.com)

Vale lembrar que a Adidas também deixou de ter a bola da Liga Europa em 2018, ao ser substituída pela fabricante japonesa Molten. O acordo com a Uefa em relação à bola existia desde meados da década de 1960.

Com o novo acordo, a Macron mostra ainda mais força no futebol europeu. Em maio do ano passado, quando divulgou seu faturamento de 2017, a marca assumiu a terceira colocação no ranking de maiores fornecedoras de material esportivo da Europa, atrás apenas de Nike e Adidas.

Atualmente, a empresa italiana possui clubes patrocinados em países como Alemanha, Espanha, França, Inglaterra, Itália, Portugal e Sérvia. Além disso, ainda veste seleções consideradas menores do continente, em um acordo feito com a própria Uefa. Entre estas seleções estão Andorra, Armênia, Belarus, Chipre, Ilhas Faroe, Liechtenstein, Luxemburgo e San Marino.


Notícia Macron Uefa Adidas arbitragem uniforme mercado futebol marketing patrocínio