A Macron teve um ano de 2017 para ser lembrado. Mais do que isso: para ser utilizado como exemplo para crescer cada vez mais. A marca italiana fechou o ano passado com um faturamento de 83 milhões de euros, cerca de 18% a mais do que em 2016. O objetivo, agora, é aumentar o ritmo e ultrapassar os 100 milhões de euros em 2018.

“A estratégia global e multiesportiva está provando ser bem-sucedida”, afirmou a empresa, em um comunicado oficial.

A Macron se tornou, recentemente, fornecedora de seleções europeias de rúgbi, como Alemanha, Escócia e Itália, por exemplo. Há, no entanto, um consenso de que é o futebol o “culpado” por números tão interessantes em 2017.

Foto: Reprodução / Twitter (@OfficialSSLazio)

No ano passado, o clube renovou com a também italiana Lazio e o Sporting, de Portugal, além de fechar um acordo com o Estrela Vermelha, da Sérvia, e também com a Uefa para fornecer os uniformes de seleções europeias menores, como Andorra, Armênia, Belarus, Chipre, Ilhas Faroe, Liechtenstein, Luxemburgo e San Marino.

Este ano a marca já assinou contratos com Hellas Verona e Udinese, da Itália; Nottingham Forest, da Inglaterra; e Real Sociedad, da Espanha.

A Macron ainda possui acordos mais antigos com Bologna, Cagliari e Spal, na Itália, além de Deportivo La Coruña e Levante, na Espanha; Crystal Palace e Stoke City, na Inglaterra; e o Nice, na França.

De acordo com a própria Uefa, a marca italiana é, atualmente, a terceira maior fornecedora do futebol europeu, atrás apenas das gigantes Nike e Adidas.

Com foco tão claro no futebol, a empresa não para de crescer. “Em casa”, na Itália, seu principal mercado, o aumento nas vendas chegou a 13%. No Reino Unido, a melhora chegou a 18,4%. Países como Espanha, França e Portugal também registraram taxas de crescimento na casa dos dois dígitos.

Os números foram animadores inclusive fora da Europa. Nos Emirados Árabes Unidos, por exemplo, o crescimento também ficou na casa dos dois dígitos, apesar do número oficial não ter sido divulgado.

Com o crescimento e a expectativa de chegar aos 100 milhões de euros de faturamento neste ano, a empresa viu a necessidade de aumentar também sua força de trabalho. Dessa forma, a Macron terá antecipada a construção de sua nova sede corporativa. O prédio de 20 mil m2 será em Bologna, mesma cidade em que funciona a sede atual.


Notícia Macron faturamento gestão mercado futebol