Quando a turbulência entre NBA e China parecia estar perto do fim, com a volta da transmissão dos jogos de pré-temporada por parte do serviço de streaming Tencent, LeBron James, maior astro da liga americana de basquete, reacendeu a polêmica.

LEIA MAIS: Houston Rockets perde parceiros na China após tuíte sobre Hong Kong

LEIA MAIS: Crise política com Hong Kong faz China decidir boicotar NBA

LEIA MAIS: China proíbe NBA de dar entrevista após amistoso no país

LEIA MAIS: Tuíte segue "causando", e 12 marcas chinesas rompem com NBA

LEIA MAIS: Após crise política, NBA se cala ao final do tour pela China

De volta a Los Angeles após uma semana na China, LeBron criticou Daryl Morey, gerente geral do Houston Rockets, pelo tuíte em que defendeu a causa de Hong Kong, território em que parte da população pede separação dos chineses. Em entrevista coletiva pré-jogo contra o Golden State Warriors, James criticou a atitude de Morey.

Foto: Reprodução

"Acredito que ele não tinha conhecimento sobre a situação que falou. Muitas pessoas poderiam ter sido prejudicadas não apenas financeiramente, mas também fisicamente, emocionalmente e espiritualmente. Portanto, tenhamos cuidado com o que tuitamos, dizemos e fazemos. Sim, temos liberdade de expressão, mas também pode haver muitos aspectos negativos por conta disso", afirmou James, durante a entrevista.

A frase caiu como uma bomba nos EUA, tanto que LeBron decidiu usar o Twitter para tentar reduzir a polêmica:

"Só para esclarecer. Não acredito que houve qualquer consideração sobre o que poderia haver de consequência a respeito daquele tuíte (sobre Hong Kong). Meu time e a liga passaram por uma semana muito difícil. Acho que as pessoas têm de entender o que um tuíte ou um comunicado pode fazer aos outros. E acredito que ninguém parou para pensar no que poderia acontecer. Poderia ter esperado uma semana para fazer esse post", completou o astro da NBA.


Notícia NBA China Hong Kong LeBron James polêmica crise política mercado chinês basquete