A edição 2020 da La Vuelta, uma das três principais provas do ciclismo mundial, terá sua largada em Utrecht, na Holanda. A cidade receberá a apresentação das equipes e sediará a prova de contrarrelógio inaugural da corrida. O objetivo: a internacionalização e a conquista de novos mercados.

Esta não será a primeira vez que a prova utiliza esse tipo de estratégia de expansão. Vale lembrar que Lisboa foi a primeira cidade fora do território espanhol a receber a largada da La Vuelta, em 1997. Depois, Assen, na própria Holanda, em 2009, e Nimes, na França, em 2017, também foram palcos estrangeiros para a primeira etapa da prova.

Foto: Reprodução

A estratégia é parecida com a adotada este ano pelo Giro d'Italia que, com a própria La Vuelta e o Tour de France, formam o "trio de ferro" do esporte no mundo e são conhecidos como Grand Tours. Em 2018, pela primeira vez em 101 anos de história, a prova italiana teve seu início fora da Europa, largando de Jerusalém, em Israel.

A escolha da La Vuelta pela Holanda (11 anos depois da largada em Assen) se dá pelo fato de que a cidade de Utrecht já recebeu etapas do Giro d'Italia e do Tour de France e, por isso, já tem uma infraestrutura interessante para os atletas e também para os amantes do ciclismo. Utrecht, aliás, será a primeira cidade a acolher etapas das três principais provas do ciclismo internacional

Por último, ainda há a relação histórica entre Espanha e Holanda. Os laços de amizade entre os dois países remontam a centenas de anos e, hoje, são celebrados principalmente por ideias semelhantes nas políticas de proteção ambiental e sustentabilidade.

"O comitê organizador do evento confiou no território holandês pela paixão sentida pelos holandeses pelo ciclismo e também pelo universo que cerca este esporte. Pode-se dizer que estamos impacientes para viver uma largada oficial da La Vuelta na Holanda mais uma vez", declarou Javier Guillén, diretor da prova espanhola.


Notícia La Vuelta Espanha Holanda ciclismo internacionalização estratégia marketing mercado