A abertura da Superliga de Futebol Feminino da Inglaterra (WSL) levou 62.921 torcedores para os seis jogos da primeira rodada. Os destaques ficaram por conta do Manchester City (31.213 torcedores) no Etihad Stadium e do Chelsea (24.564) em Stamford Bridge.

O número foi 12 vezes maior do que o público que acompanhou a abertura da liga em 2018. À ocasião, foram 5.167 pessoas aos jogos. Dessa vez, apenas na primeira rodada, a Superliga quase bateu o número total de torcedores nos jogos durante toda a temporada passada, quando quase 92 mil pessoas foram aos estádios.

Torcida do Chelsea compareceu em bom número ao Stamford Bridge para ver estreia da equipe feminina do clube na WSL (Foto: Reprodução / Twitter (@ChelseaFCW))

O aumento de público mostra o novo status do futebol feminino no país após o quarto lugar da Inglaterra na Copa do Mundo da França. Além disso, a estratégia da WSL de disputar a primeira rodada em uma data Fifa, em que a Premier League e todos os torneios masculinos europeus estão sem jogos, contribuiu para os ótimos números alcançados.

LEIA MAIS: Mundial Feminino bate novos recordes de audiência e vendas

LEIA MAIS: EUA x Inglaterra, pelo Mundial Feminino, faz história na TV

"O futebol feminino continuará a crescer, e estou muito orgulhoso deste clube de futebol. Sempre foi o lar dos nossos homens e, para nós, é sobre aproveitar essas oportunidades. É sobre compartilhar informações e padrões de direção. Agora, tenho que colocar todos sob pressão para fazer isso mais vezes", declarou Emma Hayes, gerente da equipe feminina do Chelsea.

Nas próximas rodadas, a WSL estuda adotar a estratégia de fazer jogos antes dos masculinos para que os torcedores tenham a oportunidade de assistir a uma rodada dupla de futebol. Dessa forma, a liga acredita que aumentará ainda mais o público dentro dos estádios para os jogos femininos e começará, assim, a construir uma cultura de futebol feminino ainda maior na cabeça dos ingleses.

"Espero que possamos levar muitas pessoas ao nosso estádio. Queremos que os fãs sempre assistam. A logística de jogar com duas equipes profissionais no mesmo estádio é difícil, mas interessante", afirmou Nick Cushing, gerente do time feminino do Manchester City. 


Notícia Inglaterra futebol feminino WSL público estádio Chelsea Manchester City mercado marketing gestão estratégia