Os Campeonatos Estaduais terminaram, e o futebol brasileiro se prepara para o principal torneio da temporada, o Brasileirão. Mas, a quatro dias do início da competição, ainda não há definição entre Palmeiras e Globo. A emissora e o clube têm conversado diariamente, mas um acordo ainda não foi assinado entre as partes, e o clima é de incerteza sobre a possibilidade de transmissão de todos os jogos do torneio na TV aberta e no Pay-Per-View.

Segundo a Máquina do Esporte apurou, houve avanços nas conversas, mas os dois lados ainda são cautelosos ao afirmar que o clube estará na programação do futebol na TV. No último domingo (21), a emissora exibiu um vídeo em campanha pelo torneio, sem usar nenhuma imagem do time que venceu a disputa no ano passado.

Palmeiras é o atual campeão brasileiro (Foto: Reprodução / Twitter (@Palmeiras))

Nesta terça-feira (23), o portal UOL publicou que existe a possibilidade de o Palmeiras negociar com a Globo acordo jogo a jogo. Seria um modelo distante do que tem sido aplicado nas últimas décadas, mas que permitiria colocar o Palmeiras na emissora nas partidas mais atrativas. Na primeira rodada do Brasileirão, o time enfrentará o Fortaleza, às 19h de domingo (28), em jogo exclusivo do canal TNT.

Este jogo em si já mostra um dos entraves da negociação. A Globo aplicou um fator redutor no valor pago na TV aberta aos times que fecharam com a Turner, por argumentar que ela perde audiência com jogos que estão em outros canais. Além de não concordar com isso, o Palmeiras reclama que o valor total pago pela TV aberta reduziu em 30% neste ano em relação a 2018. Esse deságio foi compensado pela Globo no contrato da TV paga, o que exclui obviamente o clube.

Além disso, os palmeirenses querem um mínimo garantido de jogos exibidos pela TV aberta. A divisão da cota de mídia este ano será feita 40% por igual entre todos os clubes, outros 30% serão pela performance no campeonato e os demais 30% serão divididos conforme a aparição na TV aberta e a audiência das partidas.

Outro entrave está no valor distribuído pelo PPV. Do total arrecadado pela Globo, 38% é repassado aos clubes. O Palmeiras questiona o repasse de menos da metade da verba e, também, o sistema de divisão do dinheiro. Ele é feito a partir da base de dados do Premiere, que sempre pergunta ao comprador do pacote para qual time ele torce. O clube argumenta que a divisão deveria ser mais técnica, conforme a audiência das partidas e o tempo gasto pelo torcedor em cada jogo.

LEIA MAIS: Análise: Longevidade é vital em plano de mídia

Como já assinou com 19 clubes na TV aberta e 18 no PPV (o Athletico é outro que não quis o modelo da emissora), a Globo tem sido irredutível em alguns pontos. O entrave prejudica ambos. O Palmeiras pode ter um "apagão" na TV no Brasileiro. Nas nove primeiras rodadas, por exemplo, só quatro jogos serão exibidos no canal TNT. Já a Globo pode perder receita com o PPV, por não ter todos os times no pacote.


Notícia Palmeiras Globo Brasileirão gestão estratégia mercado mídia pacote pay-per-view televisão transmissão acordo TNT Turner