O projeto de clube-empresa do Figueirense foi sepultado na noite desta terça-feira (24), quando o Estádio Orlando Scarpelli recebeu 13 mil torcedores para acompanhar a derrota por 3 a 0 para o Bragantino, no 15° jogo seguido do time sem vitória e que o manteve em último lugar na Série B do Campeonato Brasileiro.

O torcedor não parou de incentivar os atletas desde o início da partida, naquele que foi o maior público do ano do Figueirense jogando em seu estádio. O motivo para a euforia do torcedor foi a ação movida pelo Conselho Deliberativo do clube contra a empresa Elephant, que nos últimos dois anos gerenciou o futebol do Figueirense e enfrentava problemas para honrar os compromissos assumidos.

Chegada do ônibus com o elenco no Estádio Orlando Scarpelli (Foto: Reprodução)

Na última sexta-feira (20), o clube conseguiu uma decisão na Justiça que tornou nula qualquer decisão tomada pela Elephant a respeito da gestão do futebol do Figueirense. Sob nova/velha direção, o time passou a fazer uma campanha para levar o torcedor ao estádio no jogo contra o Bragantino, com promoção de ingressos e convocação feita por ex-atletas famosos que já passaram pelo time, como Filipe Luís, hoje no Flamengo. Chamada de "Retomada Alvinegra", a ação apelou para o emocional do torcedor e surtiu efeito.

LEIA MAIS: Análise: Virar empresa é risco para times no Brasil

Com a volta da gestão do futebol para o clube, o Figueirense tenta, agora, reduzir o passivo com funcionários, que não recebem há vários meses. O ápice da crise com a Elephant foi em 20 de agosto, quando o time se recusou a entrar em campo contra o Cuiabá e perdeu a partida por W.O..


Notícia Figueirense Retomada Alvinegra Elephant clube-empresa gestão mercado torcida Série B Brasileirão