A temporada 2020 da Fórmula 1 entraria para a história pelo recorde de provas disputadas em um único ano. No entanto, com a pandemia do coronavírus afetando drasticamente a indústria esportiva, já é certo que isso não irá mais acontecer, uma vez que o calendário original já foi comprometido e pode sofrer ainda mais baixas nas próximas semanas.

LEIA MAIS: Coronavírus: veja cronologia da pandemia no esporte mundial

De acordo com Chase Carey, CEO da F1, há a expectativa de que a temporada tenha de 15 a 18 corridas. A projeção, portanto, é de que haverá mais cancelamentos em breve. Até agora, das 22 provas previstas, duas já foram canceladas (Austrália e Mônaco) e outras seis estão com o status de adiadas (Bahrein, China, Vietnã, Holanda, Espanha e Azerbaijão).

Foto: Reprodução / Site (formula1.com)

"Reconhecemos que há um potencial significativo para adiamentos adicionais nos eventos programado. No entanto, nós e nossos parceiros esperamos que a temporada comece em algum momento deste verão, com um calendário revisado entre 15 e 18 corridas. Como anunciado anteriormente, utilizaremos as férias de verão antecipadas para março e abril para competir normalmente em agosto (mês em que tradicionalmente ocorrem as férias de verão) e estenderemos a data de término original do calendário para além de 29 de novembro (data programada para a última corrida do ano, o GP dos Emirados Árabes Unidos, em Abu Dhabi)", declarou Carey.

Por enquanto, a previsão para o início da temporada passou a ser o GP do Canadá, marcado para 14 de junho, em Montreal. Além desta, outras 13 provas ainda não sofreram nenhum tipo de alteração (França, Áustria, Inglaterra, Hungria, Bélgica, Itália, Singapura, Rússia, Japão, Estados Unidos, México, Brasil e Emirados Árabes Unidos).

No comunicado, Chase Carey ainda deixou claro que a Fórmula 1 deve tem como obrigação usar o período de quarentena para "evoluir o esporte", ao analisar, estudar e oferecer novas e diferentes formas de conteúdo para os fãs. No último final de semana, em que seria disputado o GP do Bahrein, a F1 deu início a um campeonato virtual com a presença de alguns pilotos profissionais da categoria e também outros convidados. Em todos os finais de semana em que alguma prova seria disputada, haverá a competição no e-Sports.

De acordo com a agência de análise Esports Charts, a audiência do Grande Prêmio Virtual do Bahrein teve uma média de 289 mil acessos simultâneos, com um pico de 359 mil pessoas. Ao todo, foram 199 mil no YouTube, 180 mil no Twitch e 18 mil no Facebook.


Notícia Coronavírus Covid-19 pandemia automobilismo Fórmula 1 F1 gestão calendário mercado