A saída do Esporte Interativo da televisão paga pegou o mercado de surpresa na última semana. Para executivos da emissora, no entanto, a medida foi um adiantamento do que as novas tecnologias impõem sobre os agentes do esporte. Para o canal da Turner, a internet tem abraçado o conteúdo de nicho, o que força a televisão a ficar com apenas os produtos mais populares.

A Máquina do Esporte foi o primeiro veículo do país a falar com Fábio Medeiros, head de esportes da Turner e único dos fundadores do Esporte Interativo a seguir no negócio desde a mudança anunciada no último dia 9 de agosto. Ele explicou como o antigo canal passará a funcionar dentro do que a Turner tem pensado para a televisão.

"Sempre haverá espaço para conteúdo de qualidade, como uma Champions League ao vivo, que onde quer que ela esteja, ela vai atrair audiência. Mas é claro que a procura por esporte de nicho vai saindo da TV paga e indo para a internet. Hoje, no Brasil, muito mais gente tem acesso à banda larga do que à TV paga".

Com essa medida, a Turner atuará em duas frentes com o Esporte Interativo. A primeira, focada no esporte, está exclusivamente nos meios digitais. Hoje, por exemplo, o canal conta com 16 milhões de seguidores no Facebook, em que as informações são divulgadas de forma mais segmentada possível, seja em relação ao time ou à modalidade favorita do consumidor no meio on-line.

Nessa conta, entra também a plataforma de streaming do Esporte Interativo, o EI Plus, criado ainda em 2012, que deverá ter transmissões do canal, sem o peso do retorno esperado na televisão convencional, com audiência de massa.

"É difícil você pegar um espaço na TV e falar de algo muito segmentado. A sua audiência vai despencar, você é cobrado por essa audiência, e aí já não faz mais sentido. Você cai na mesmice de ter que ficar falando dos assuntos de massa o tempo inteiro", explicou Medeiros, justificando a "overdose" de futebol nas TVs.

Por outro lado, ficarão os canais da Turner como um "hub" de conteúdo premium, que garante audiência constantemente alta. Nesse cenário, o TNT terá, nas palavras do executivo do Esporte Interativo, a exibição do Oscar, a estreia no novo filme do Batman e a Liga dos Campeões e o Campeonato Brasileiro.

"O Esporte Interativo não está nem perto de acabar. Nós fizemos uma mudança drástica na forma de como levamos o conteúdo para as pessoas", reforçou.


Notícia Mídia Esporte Interativo Liga dos Campeões Campeonato Brasileiro Turner