Com estratégia focada na entrega de conteúdo multiplataforma e na tendência de hábitos de consumo do fã do esporte, a ESPN anunciou, nesta quinta-feira (7), que encerrou o ano de 2018 ampliando o número de parcerias de distribuição na TV paga e também na banda larga. Contabilizando os acordos, foram mais de 50 contratos fechados no último ano, com destaque para o volume de empresas provedoras de banda larga, um mercado que vem crescendo exponencialmente no Brasil, que passaram a distribuir as plataformas da emissora.

Everaldo Marques e Paulo Antunes, durante transmissão do Super Bowl LIII (Foto: Divulgação / ESPN)

O ESPN Extra, mais recente canal linear do grupo, também apresentou um resultado importante, já que passou a ser distribuído por 48 novos parceiros superando, assim, mais de 4 milhões de assinantes em um ano. Contando com programação focada nos esportes femininos, e-Sports, esportes radicais, ligas americanas e conteúdo regional, o canal entrou no pacote de ofertas de 26 novos provedores de banda larga e 22 operadoras de TV por assinatura, com destaque para entrada nos serviços de mobile de grandes players.

Outro fator de destaque está no aumento da distribuição da ESPN Brasil, canal de maior base da emissora, que garantiu uma ampliação de 49% no número de assinantes. Após registrar aumento de audiência no ano, a ESPN Brasil encerrou 2018 chegando a alcançar a liderança da TV paga em alguns momentos, por conta, especialmente, do futebol internacional. 

“As operadoras de TV por assinatura e os provedores de internet banda larga reconhecem a necessidade de servir aos fãs de esportes onde quer que eles estejam, disponibilizando a mais variada oferta de conteúdo e recorrência aos seus assinantes, independentemente da plataforma. Mais do que ter um conteúdo relevante, é fundamental torná-lo acessível aos assinantes”, disse Marcello Zeni, vice-presidente de afiliadas da Disney e ESPN.

Em 2019, a ESPN promete continuar com a ampliação dos modelos de distribuição com novos acordos que devem ser fechados no primeiro trimestre do ano e focará mais uma vez na variedade de conteúdo esportivo como forma de atrair os fãs de esporte.

Além dos direitos do futebol internacional, com destaque para Premier League e LaLiga, a emissora também transmitirá ligas americanas, como NFL e NBA, além dos tradicionais programas de jornalismo, como Linha de Passe, SportsCenter, Bate-Bola e Olhar espnW, atração com foco no público feminino. O conteúdo on demand também ganhará produções especiais em séries e documentários, ampliando o catálogo de mais de 600 títulos disponíveis na área ESPN Play, disponível na plataforma digital WatchESPN. 


Notícia ESPN crescimento audiência estratégia multiplataforma gestão marketing mídia televisão internet banda larga