O final de semana foi bastante movimentado na Fórmula 1. Na pista, o GP dos Estados Unidos ficou marcado pela vitória de Valtteri Bottas e, principalmente, pela segunda colocação de Lewis Hamilton, que, assim, garantiu o hexacampeonato mundial da categoria. No entanto, fora do asfalto, a F1 também teve movimentos importantes nos últimos dias.

A ESPN aproveitou a prova "em casa" para anunciar a renovação do contrato com a Liberty Media e ampliou os direitos de transmissão da categoria em território americano até 2022. O novo contrato ainda tem como uma das principais novidades a garantia dos direitos exclusivos para a emissora também em território espanhol, com a ESPN Deportes.

Pelo acordo, as corridas continuarão indo ao ar pela ESPN, ESPN 2 ou pela parceira ABC, sem intervalos comerciais. Por outro lado, todas as sessões de treinos livres e também os qualificatórios serão exibidas ao vivo por streaming nas plataformas on-line da emissora. O contrato garante ainda os direitos de outras categorias, como Fórmula 2, Fórmula 3 e a Porsche Mobil 1 Supercup.

Renovação entre ESPN e F1 nos EUA ocorreu no fim de semana em que Lewis Hamilton conquistou seu sexto título mundial na categoria (Reprodução / Twitter (@F1))

"Os EUA são um dos nossos principais focos de crescimento, e a ESPN conhece e entende o público esportivo americano como ninguém. A combinação de sua cobertura dedicada e o incrível espetáculo de corrida da Fórmula 1 é uma parceria perfeita para que possamos aproveitar nosso recente sucesso com o público do país", afirmou Sean Bratches, diretor administrativo de operações comerciais da Fórmula 1.

"Quando trouxemos a Fórmula 1 de volta à ESPN, há dois anos, acreditamos que os fãs da Fórmula 1 nos Estados Unidos apoiariam a cobertura. Essa estratégia foi recompensada muitas vezes, e nós apreciamos muito como os fãs responderam em número recorde", celebrou Burke Magnus, vice-presidente executivo de programação da ESPN nos EUA.

A ESPN exibe a Fórmula 1 desde 2018, quando substituiu a NBC. Desde então, a categoria tem visto um aumento da audiência no país, com a cobertura desta temporada alcançando uma média de 671 mil espectadores em 18 corridas disputadas (sem contar o GP dos EUA neste final de semana), um aumento de 19% em relação ao ano passado e um crescimento de 24% em relação à média da NBC em 2017.

O foco da Liberty Media nos Estados Unidos também pode ser comprovado pelo objetivo da empresa de realizar uma segunda prova no país a partir de 2021. A ideia já praticamente virou realidade, com o circuito sendo montado em parte no Hard Rock Stadium, estádio em que o Miami Dolphins atua na NFL. Dessa forma, o país passará a ter uma prova em Austin, no Texas, e outra em Miami, na Flórida.


Notícia Fórmula 1 F1 ESPN direitos transmissão mídia renovação Estados Unidos mercado marketing estratégia