Os Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro podem ser considerados um dos principais eventos esportivos da história do desporto brasileiro. Aliadas às disputas, empresas nacionais buscam visibilidade na tentativa de expandir seus limites, mirando o mercado sul-americano e, porque não, o europeu.

Uma destas empresas é a Olympikus, braço esportivo da Calçados Azaléia. Investindo no esporte amador desde 1994 - uma de suas bandeiras é não aplicar recursos no futebol -, a companhia acredita ter a grande oportunidade de ampliar seus negócios com o Pan do Rio de Janeiro.

"Com o Pan temos a chance de atingir a maioria dos países da América Latina, já que vamos confeccionar os uniformes de 26 delegações que irão competir. São cerca de 3 mil atletas vestindo a nossa marca", afirma Paulo Santana, diretor de marketing da empresa.

Comandando a publicidade da atual líder no mercado brasileiro - com faturamento de R$ 1 bilhão em 2006 - e uma das cinco maiores do mundo, Paulo Santana enxerga o futuro da empresa diretamente ligado aos contratos com o Comitê Olímpico Brasileiro (COB), desde 1999, e com a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), parceria que teve início em 1997.

"Temos dois parceiros fortes e já estamos enxergando as Olimpíadas de Pequim", diz Santana, em referência à competição que acontece em 2008.

Em entrevista exclusiva à Máquina do Esporte, Paulo Santana fala sobre as expectativas da Olympikus para o Pan, o futuro da parceria com o COB e os próximos investimentos realizados pela empresa, que incluem a associação com uma empresa de comunicação.

Leia a seguir a entrevista na íntegra:

Máquina do Esporte: O Pan é a grande plataforma da Olympikus este ano?

Paulo Santana: Com certeza. É a grande plataforma da empresa nos últimos três anos inquestionavelmente. No Pan, nós teremos a oportunidade de apresentarmos o estágio atual de tecnologia e design dos nossos produtos a todos os nossos consumidores e a todo o mundo.

ME: De que forma o Pan pode ajudar a Olympikus na disputa pelo mercado de material esportivo?

PS: A Olympikus é líder de mercado no campo esportivo no Brasil. Os Jogos Pan-Americanos nada mais são do que a consolidação da marca no Brasil e um campo a mais para nós buscarmos a liderança na América Latina.

ME: Qual a modalidade esportiva que pode trazer maior rentabilidade à Olympikus no Pan?

PS: Nós encaramos como um todo, com a exposição da marca. Não geramos expectativa de venda especificamente por esportes. Acho que a peça que mais vamos comercializar serão os abrigos e os uniformes utilizados na Vila, que são peças bem casuais.

ME: O atraso nas obras para a competição pode ter influência negativa para a marca Olympikus?

PS: De forma nenhuma. Somos uma marca esportiva, e não acredito que essas questões fora das competições possam atrapalhar. Estamos entregando os uniformes para os atletas e eles estarão prontos para competir. Além disso, tenho certeza que no dia 13 de julho todas as obras estarão completas e o Pan será um sucesso.

ME: Até que ponto o desempenho da delegação brasileira no Pan pode influenciar o patrocínio da Olympikus no COB?

PS: Não terá influência nenhuma, até porque esse Pan é um grande diferencial. Quando falamos de uma competição com cinco mil atletas competindo e onde nós estaremos em todas as modalidades, nós sempre teremos atletas vencedores. Até porque nós já estamos em Pequim. Estamos curtindo e desfrutando o Pan-Americano, mas já pensando nas Olimpíadas.

ME: Qual a expectativa de crescimento da empresa para este ano?

PS: Nossas expectativas são as melhores possíveis. Iniciamos o ano com a intenção de crescer 30% em comparação aos valores de 2006, quando apresentamos um faturamento de R$ 410 milhões. Só que em janeiro e fevereiro nós crescemos, respectivamente, 82% e 98% comparando os mesmos meses do ano anterior. O Pan é o grande impulso desse crescimento.

ME: A Olympikus ainda vai investir no tênis e no vôlei?

PS: A Olympikus já começou a investir pesado no tênis. Nós temos vários contratos no tênis. Junto com o vôlei e o running, esse é um dos três esportes em que mais investimos e seguiremos apoiando.

ME: Quais as próximas estratégias de marketing que a Olympikus planeja?

PS: Nós temos um lançamento com a Oestudio, uma coleção inspirada nos símbolos do Brasil que vai ser lançada junto com a marca Olympikus design by Oestudio. A intenção é realmente posicionar a marca com um valor agregado melhor, um produto com características de tecido mais apurado. Esse material deve estar chegando às lojas a partir de maio ou junho.

N.R.: A Oestudio é parceira da Olympikus na concepção dos uniformes utilizados pela delegação brasileira nos Jogos Pan-americanos 2007.


Entrevista