O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) anunciará nesta terça-feira (16) uma parceria com a rede de ensino Estácio que vai dar 300 bolsas de estudos a atletas paralímpicos. O objetivo é auxiliar os atletas a planejarem o pós-carreira.

Foto: Divulgação

Denominado "Atleta Cidadão", o programa será apresentado numa cerimônia nesta tarde. O multimedalhista no atletismo Antônio Delfino e Adria Jesus, bronze no vôlei sentado feminino no Rio 2016, serão os dois protagonistas do evento. Eles são os dois primeiros atletas a concluírem o ensino superior por meio da iniciativa do CPB. 

"Entendemos que o processo de capacitação da pessoa com deficiência tem um papel vital na sua formação como indivíduo. Por este motivo, demos uma nova dimensão ao Programa 'Atleta Cidadão', com a intenção de abrir o leque de oportunidades a estes atletas desde o seu período ativo, o que dará a eles uma nova perspectiva e reduzirá impactos da saída do status quo quando o esportista decidir encerrar sua carreira", disse Mizael Conrado, presidente do CPB.

A Estácio vai fornecer 300 bolsas de estudo para que os atletas ligados ao comitê possam se formar em graduação. Além da instituição de ensino, Ernst & Young (EY), Adecco, English Life (EF) e Lee Hatch Harrison fazem parte do projeto.

O "Atleta Cidadão" é, segundo o CPB, uma evolução do projeto "Transição de Carreiras", de 2015. Anteriormente, o suporte ao atleta era dado somente no fim da carreira. Agora, haverá mentoria, coaching, aulas de idiomas e graduação.


Notícia Comitê Paralímpico Brasileiro CPB Estácio graduação bolsa de estudo mercado gestão carreira