Neste final de semana, Fluminense e Botafogo entraram em campo pelo Campeonato Brasileiro com um novo patrocinador na camisa. A marca Azeite Royal, que já havia acertado patrocínio ao Vasco, estendeu a parceria à dupla.

Por trás dos acordos de patrocínio aos três times está uma estratégia traçada por Eduardo Giraldes, empresário que, no final do ano passado, comprou a oliveira produtora do azeite português e decidiu trazer a marca Azeite Royal para o Brasil. 

Arte: Máquina do Esporte

"É um prazer ter a nossa marca vinculada ao Fluminense. Estamos juntos de um clube vencedor, que tem demonstrado isso ao longo de todos esses anos. O Fluminense está entre os melhores do Brasil. Estamos felizes em incentivar o esporte e sabemos que teremos um retorno bacana", afirmou Giraldes, sobre o patrocínio fechado com o Fluminense, único com quem o vínculo seguirá até o final de 2020.

Desde que assumiu a comercialização da marca no Brasil, o empresário tem usado o esporte para promover a Azeite Royal. O lutador de MMA Thiago Marreta, que disputa o UFC, é também um atleta patrocinado pela empresa. Antes de fechar com ele, a Royal havia feito entradas pontuais no Brasil. No final de 2018, foi patrocinadora do Vasco em jogos que tinham exposição na TV aberta. Este ano, a Royal esteve no San Jose, da Bolívia, em jogo da Libertadores contra o Flamengo.

Por trás da estratégia está também o posicionamento do produto no mercado. O Azeite Royal acaba tendo um custo mais baixo em relação aos concorrentes. No Rio de Janeiro, por exemplo, a marca é encontrada em supermercados mais populares.

"Estamos apostando na força do time, na grandiosidade do clube e na exposição positiva proporcionada à marca", disse Giraldes, sobre o patrocínio ao Botafogo.


Notícia Azeite Royal Vasco Botafogo Fluminense patrocínio estratégia marketing mercado gestão