O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, disse que, com o adiamento dos Jogos Olímpicos para 2021, serão mantidos os contratos de patrocínio de empresas que tinham assinado com a entidade apenas até o ano de 2020. A decisão da entidade havia colocado em dúvida o que seria feito com relação aos parceiros comerciais do evento.

LEIA MAIS: Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio são adiados para 2021

LEIA MAIS: COB fala em "alívio" e apoia adiamento dos Jogos Olímpicos

LEIA MAIS: Adiamento dos Jogos Olímpicos auxilia patrocinadores do COI

LEIA MAIS: Análise: Demora vira mancha histórica para o COI

Na lista de patrocinadores, General Electric, P&G e Dow Chemical são algumas das multinacionais que possuem vínculo apenas até o final deste ano. Além delas, Allianz e Mengniu, que entrariam apenas em 2021, após os Jogos Olímpicos de Tóquio, só terão o patrocínio validado em 2022, realmente depois da realização do evento.

Foto: Divulgação / COI

"Entramos em contato com todos os patrocinadores e o que pudemos ver é que temos todo o apoio a essa decisão e agora trabalharemos para implementá-la. Para mim, é uma consequência lógica que os patrocinadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 mantenham seus direitos com o evento sendo realizado em 2021", afirmou Bach.

O Comitê Olímpico Internacional também aproveitou para divulgar que, apesar do adiamento para 2021, o nome dos Jogos Olímpicos permanecerá como Tóquio 2020. Dessa forma, logomarca, mascote, site, redes sociais e tudo mais que envolve o evento não terão nenhuma modificação.


Notícia Coronavírus Covid-19 pandemia esporte gestão adiamento COI Japão Jogos Olímpicos Tóquio 2020 marcas patrocinadores estratégia