Um enorme potencial de novos negócios. Essa tem sido a tônica que ecoa pelos corredores da Brasil Futebol Expo após dois dias de eventos, cursos, exposições, palestras e plenárias.

LEIA MAIS: Análise: Brasil Futebol Expo explicita evolução do futebol

Entre os nove times da Série A que montaram estandes na feira, o destaque ficou por conta da atuação da dupla cearense Ceará e Fortaleza. Alvinegros e tricolores têm trocado figurinhas no evento a respeito de como podem operar de forma mais lucrativa o Estádio Castelão, com diminuição de custos de fornecedores e aumento de cargas de ingressos e patrocínios.

Ao mesmo tempo em que essas conversas de colaboração mútua acontecem, o São Paulo decidiu apostar na ativação do mascote Chipito, um chip de celular de telefone pré-pago do tricolor paulista desenvolvido em parceria com a Dry Company do Brasil e que custa R$ 40 mensais.

O serviço oferece uma série de benefícios para quem adotar o modelo, como WhatsApp ilimitado até mesmo se a franquia esgotar. Atualmente, cerca de 75% da população brasileira adota o modelo pré-pago na telefonia móvel, e é nisso que o tricolor paulista aposta para angariar novos recursos.

Outro destaque marcante pelos corredores da feira tem sido a grande presença de jovens dentro da área de exposição. A marca que mais se aproveitou disso foi a operadora de telefonia Vivo, patrocinadora da CBF e das seleções brasileiras de futebol.

A empresa montou um espaço com três mesas de tech ball (ou teqball) e oferece a oportunidade de jogar em troca dos dados pessoais destes possíveis futuros consumidores. Até o fim da tarde desta quinta-feira (5), a empresa já computava mais de 400 novos cadastros.

Espaço montado pela Vivo dentro da Brasil Futebol Expo (Foto: Máquina do Esporte)


Notícia Brasil Futebol Expo BFE intercâmbio ações ativações marketing patrocínio mercado