A decisão do Grupo Turner de encerrar as atividades dos canais Esporte Interativo na TV por assinatura tem por trás diversos fatores conjunturais e estruturais do mercado de mídia no Brasil. Listamos abaixo os cinco principais motivos que levaram à tomada dessa decisão por parte da gigante americana.

MOTIVO 1 - Os canais Esporte Interativo não eram lucrativos. Com o alto custo para a compra de direitos de Liga dos Campeões e Brasileiro e baixa audiência geral do canal, a operação estava no vermelho, sem previsão de melhora no médio prazo.

MOTIVO 2 - A compra da Turner pela AT&T, nos Estados Unidos, também influenciou, já que a operadora Sky é parte da AT&T também. Assim, para a compra ser aprovada no Brasil, a Turner terá de reduzir sua oferta de produção de conteúdo. Ter menos canais é a alternativa.

MOTIVO 3 - A força digital do Esporte Interativo torna a capacidade de rentabilidade do negócio maior. Ainda mais com o fortalecimento do streaming no Brasil, onde o EI já é parceiro do Facebook para a Champions.

MOTIVO 4 - A escalada de preços dos direitos de transmissão torna a manutenção de canais ainda mais difícil, já que falta conteúdo premium para a TV.

MOTIVO 5 - A fusão entre ESPN e Fox deixaria o EI como terceira força no mercado, reduzindo a chance de lucro para o seu negócio.

Leia Mais: Esporte Interativo deixa a TV e ficará só no digital

Leia Mais: Cronologia: relembre a história do Esporte Interativo

Leia Mais: Análise: Não há mercado para tanto esporte na TV

Leia Mais: Sem canal, EI busca parceiros para Série C e Aspirantes

Leia Mais: Nova fase reforça soberania digital do Esporte Interativo

Leia Mais: Bahia diz que vai romper contrato com fim de canal


Notícia Mídia Esporte Interativo Liga dos Campeões Campeonato Brasileiro Turner