Não é só no Brasil que a venda dos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro está enroscada. Enquanto, por aqui, o Palmeiras segue sem um acordo com o Grupo Globo para exibir seus jogos na TV aberta e PPV, para o exterior a situação é ainda pior. Pela segunda vez, os clubes rejeitaram a negociação que havia sido assinada, e uma nova licitação será lançada.

Durante toda a terça-feira (30), uma reunião na sede da CBF, no Rio de Janeiro, com os representantes dos clubes da Série A do Brasileirão, definiu que a proposta vencedora, do consórcio SportPromotion/Ecotonian, não seria mais aceita. Segundo a entidade, a decisão partiu por sugestão do presidente da CBF, Rogério Caboclo.

Foto: Reprodução

"Diante das novas condições de negócio apresentadas, o presidente da CBF, Rogério Caboclo, manifestou aos presentes que não se sentia confortável com a assinatura do contrato naqueles termos e fez uma recomendação aos clubes de que recusassem as alterações e exigências contratuais feitas pelo consórcio", disse a CBF, em nota oficial publicada no site. A vencedora do consórcio propunha vender também os direitos comerciais dos times para sites de apostas no exterior.

A decisão tomada, então, passa a ser iniciar um novo processo de licitação, mais uma vez conduzido pela consultoria EY. De acordo com a CBF, as alterações propostas pelo consórcio mudavam o que era previsto pelo edital de licitação.

Segundo apurou a Máquina do Esporte, os clubes já consideram que o ano de 2019 está "perdido" em relação à comercialização dos direitos de transmissão para o exterior. Na nova licitação, é possível que o contrato contemple a venda a partir de 2020, entregando a atual temporada como uma espécie de bônus. 

A venda dos direitos de transmissão para o exterior é uma novela que completa neste mês um ano. Em maio do ano passado, a CBF e os clubes venderam para a obscura empresa BR News Media os direitos. A empresa havia comprado a revista Placar da editora Abril, mas já não havia cumprido com os prazos de pagamento. Tempos depois, a empresa mudou de nome para BR Foot Media e, em janeiro deste ano, sem conseguir honrar os compromissos assumidos, o negócio foi desfeito.

LEIA MAIS: Análise: Abismo separa o futebol do basquete no Brasil

A CBF, então, contratou a EY para realizar a licitação. Inicialmente, ela envolveria tanto os direitos de mídia para o exterior quanto a comercialização de placas de publicidade para o torneio. No final das contas, o projeto foi dividido em dois, mas a SportPromotion venceu as duas concorrências. Agora, mais uma vez o debate voltará para o mercado. Resta saber se ainda haverá empresas interessadas em participar da concorrência ou se ela seguirá sendo apenas para direitos de mídia.


Notícia Campeonato Brasileiro Brasileirão CBF venda direitos de transmissão exterior marketing mídia gestão