Os clubes brasileiros decidiram, no congresso técnico da CBF realizado na segunda-feira (20), que não haverá mais venda de mando de campo durante o Campeonato Brasileiro.

Dessa maneira, durante o torneio de 2017, as equipes terão que atuar necessariamente em seus Estados de origem, mesmo sem estádio definido.

A medida visa acabar com o desequilíbrio técnico das inversões de mando, algo recorrente nos torneios nacionais dos últimos anos.

A decisão, no entanto, não foi unânime. O Flamengo, por exemplo, era um defensor da possibilidade de jogar em outros Estados. O time tem atuado com frequência em Brasília.

A nova regra também irá prejudicar as novas arenas espalhadas pelos país. O Estádio Nacional de Brasília é um exemplo de arena que perderá um dos poucos eventos que mantém durante o ano. Os estádios de Manaus, Cuiabá e Natal, construídos para a Copa do Mundo, também costumavam a ser usados no Brasileirão.

Outra medida adotada pelos clubes no congresso técnico da CBF foi a proibição do uso de grama sintética a partir de 2018. Nesse caso, o único prejudicado será o Atlético Paranaense, que implementou o piso no fim de 2015.


Notícia CBF Brasileirão 2017