O Brasil quer tentar voltar a receber uma Copa do Mundo da Fifa em 2023. O país oficializou, na última sexta-feira (13), sua candidatura para receber o próximo Mundial feminino. A proposta brasileira concorre com outras três candidaturas: Colômbia, Japão e a proposta conjunta de Austrália e Nova Zelândia.

O projeto apresentado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) prevê que o Mundial consiga gerar US$ 70 milhões em receitas. A maioria delas viria com a venda de ingressos para o público (US$ 38,3 milhões). Outra boa parte seria oriunda da venda dos pacotes de hospitalidade (US$ 27,6 milhões). Já a venda de patrocínios para a competição geraria cerca de US$ 3 milhões para a Fifa.

Canadá vence o Brasil por 2 a 1 e fica com a medalha de bronze no futebol feminino dos Jogos Olímpicos, na Arena Corinthians (Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil)

O projeto brasileiro se apoia no legado da Copa do Mundo de 2014. A proposta contempla oito sedes para abrigar os jogos, todas elas de estádios que foram reformados ou erguidos para 2014. As sedes seriam em Belo Horizonte (Mineirão), Brasília (Mané Garrincha), Manaus (Arena da Amazônia), Porto Alegre (Beira-Rio), Recife (Arena Pernambuco), Rio de Janeiro (Maracanã), Salvador (Fonte Nova) e São Paulo (Arena Corinthians).

"A Fifa já demonstrou que confia na nossa capacidade de realizar eventos deste porte. Eu tenho repetido que, a partir de agora, a CBF será candidata a receber todas as grandes competições do futebol mundial, pois temos experiência e equipamentos comprovadamente de excelência. Sabemos que temos fortes concorrentes, mas acreditamos na possibilidade de termos mais uma Copa do Mundo no Brasil", afirmou o presidente da CBF, Rogério Caboclo, ao anunciar a entrega dos documentos à Fifa.

A CBF espera convencer a Fifa do sucesso brasileiro em abrigar o torneio com os números de audiência alcançados no Brasil durante a última Copa do Mundo, disputada este ano, na França. Na ocasião, o país obteve as maiores audiências da história do Mundial, sendo que foi aqui que a final entre EUA e Holanda teve o maior número de espectadores globalmente.

A Fifa deverá realizar a vistoria nas cidades-sedes nos meses de janeiro e fevereiro de 2020. Com relação ao Mundial masculino de 2014, ficariam de fora Cuiabá (Arena Pantanal), Curitiba (Arena da Baixada), Fortaleza (Arena Castelão) e Natal (Arena das Dunas). 


Notícia Copa do Mundo feminina Brasil sede 2023 estratégia gestão CBF Fifa visibilidade marketing mercado candidatura receitas