Você já imaginou ver o Barcelona disputando o campeonato nacional de futebol dos Estados Unidos? Pois é exatamente isso que quer fazer o clube espanhol com seu time feminino. O Barça, da atacante brasileira Andressa Alves, está em negociações com Liga Nacional de Futebol Feminino (NWSL, na sigla em inglês) da América do Norte para ter uma franquia no torneio já em 2019.

Foto: Reprodução / Twitter (@GemmaGiliGiner)

De acordo com a imprensa europeia, a franquia americana do clube espanhol manteria o nome Barcelona e usaria a cidade de Los Angeles para os jogos em casa. Caso as conversas cheguem a um resultado positivo, o Barça seria a primeira equipe estrangeira a disputar a competição, que chegaria a dez times, com expectativa de alcançar 14 franquias em 2020.

"Estamos planejando abrir uma franquia nos EUA, uma franquia do Barcelona na liga americana. Estamos agora em discussão para ver se é possível ou não. Se for, será imediato, já que a próxima temporada é nossa meta", revelou Javier Sobrino, diretor de estratégia e inovação do Barcelona, em uma conferência no Qatar.

Segundo jornais espanhóis, o presidente do clube, Josep Maria Bartomeu, já havia demonstrado a intenção de levar o Barça para jogar a NWSL em 2016. Os planos foram aprovados pelo conselho de administração com o objetivo de impulsionar a marca do clube nos EUA e na América do Norte, mas só agora as conversas com a NWSL foram iniciadas.

A Máquina do Esporte vem dando destaque também para outra forma que o clube tem tentado de internacionalizar sua marca. A ideia é que o Barça masculino seja o protagonista do primeiro jogo da LaLiga a ser realizado fora da Espanha, em um duelo que seria contra o Girona em janeiro e que tem gerado muita polêmica com a federação espanhola e até com a Fifa.

Vale lembrar ainda que o grande rival do Barcelona na Espanha, o Real Madrid, também está de olho no mercado americano. No mês passado, o presidente do clube, Florentino Perez, deixou claro que gostaria de ver a equipe de basquete do clube disputando a NBA.


Notícia Barcelona liga americana futebol feminino internacionalização marca mercado estratégia marketing