A Asics é a nova fornecedora de material esportivo do Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês). Pelo acordo, a marca japonesa será responsável pelas roupas esportivas e calçados oficiais para o IPC e as equipes de atletas paralímpicos independentes em eventos oficiais até 2020, o que inclui os Jogos Paralímpicos de Tóquio.

O contrato ainda prevê que, a partir de 2019, todos os Mundiais Paralímpicos de natação, tiro esportivo e levantamento de peso receberão suporte da Asics. Para Tóquio 2020, também já está acertado que cerca de 60 comitês paralímpicos de países participantes serão abastecidos pela marca. Isso significa um número próximo a 300 paratletas.

Foto: Divulgação / Asics

“Este é um acordo que não beneficia apenas o IPC mas também o Movimento Paralímpico como um todo, de um modo muito mais amplo. Estamos particularmente satisfeitos com o compromisso da Asics em apoiar a equipe de atletas paralímpicos independentes e um grande número de comitês em desenvolvimento no caminho para Tóquio 2020”, afirmou Andrew Parsons, presidente do IPC.

“Estamos entusiasmados em poder apoiar o Comitê Paralímpico Internacional como um fornecedor oficial. A coragem e determinação dos paralímpicos dão sonhos e esperança para as pessoas ao redor do mundo. Além de promover ainda mais as Paralimpíadas, queremos promover a conscientização para um mundo melhor, bem como o desenvolvimento de infraestrutura social, a fim de realizar uma sociedade verdadeiramente inclusiva. Através dos nossos esforços com o IPC, pretendemos contribuir para uma sociedade saudável e sustentável”, declarou o presidente e CEO da Asics, Motoi Oyama.

Vale lembrar que a Asics já é parceira do Mundial Paralímpico de atletismo desde setembro de 2016 em um acordo que se estende também até o final de 2020. Com o novo acerto, a marca japonesa também passa a figurar como um dos parceiros “Gold” do IPC até os Jogos Paralímpicos de Tóquio.


Notícia Asics Tóquio 2020 Jogos Paralímpicos Comitê Paralímpico Internacional marca marketing parceria patrocínio gestão