Terminou em silêncio o tour da NBA pela China. A liga americana de basquete optou por não dar mais qualquer entrevista em solo chinês, antes e depois da realização do segundo jogo amistoso entre Brooklyn Nets e Los Angeles Lakers, no último sábado (12).

LEIA MAIS: Houston Rockets perde parceiros na China após tuíte sobre Hong Kong

LEIA MAIS: Crise política com Hong Kong faz China decidir boicotar NBA

LEIA MAIS: China proíbe NBA de dar entrevista após amistoso no país

LEIA MAIS: Tuíte segue "causando", e 12 marcas chinesas rompem com NBA

A decisão foi a forma encontrada pela NBA de se preservar e também posicionar-se diante da briga com o governo chinês causada por um tuíte do gerente geral do Houston Rockets, Daryl Morey, defendendo a liberdade de Hong Kong, que é território chinês.

Foto: Reprodução

A queda de braço entre China e NBA, porém, fez estragos. A liga teve suspensas as parcerias com 12 marcas chinesas, enquanto os jogos de pré-temporada deixaram a TV. O prejuízo, caso os contratos não sejam reativados, pode ultrapassar os US$ 4 bilhões.

Apesar do boicote chinês nos negócios, o torcedor local parece não ter se importado com a situação. Os dois jogos realizados por Lakers e Nets no país asiático tiveram ginásios lotados e uma torcida empolgada para ver, em especial, o principal astro da liga, o camisa 23 do Lakers LeBron James.


Notícia NBA China Hong Kong basquete crise política finanças marketing patrocínio mercado asiático mercado chinês