O Rio Open perdeu um de seus mais importantes patrocinadores. O Itaú, banco que estava com o torneio desde o início do projeto, em 2014, não irá renovar o acordo para o próximo ano.

À Máquina do Esporte, a empresa alegou que "reviu sua grade de patrocínios" e decidiu não renovar o aporte ao torneio brasileiro. O Rio Open é o maior evento de tênis do país, com a chancela de ATP 500 e organização da IMG.

Rafael Nadal em ação no Rio Open em 2016. Foto: Luiz Pires / Fotojump

O Itaú estava com o torneio desde a primeira edição. O banco ocupava a segunda categoria mais importante entre as propriedades comerciais do evento, atrás apenas da Claro, que está na condição de apresentadora da disputa.

Como patrocinador oficial, o Itaú tinha direito a uma área de relacionamento no evento, além de vendas exclusivas de ingressos para clientes. Havia também um espaço significativo para a exposição da marca do banco brasileiro.

Neste momento, a marca do Itaú já não aparece no site oficial do Rio Open. No entanto, o torneio ostenta outros patrocinadores fortes, como a própria Claro, além de Peugeot, Samsung, Fila, entre outras.

O tênis, por outro lado, continua a fazer parte da estratégia de comunicação do Itaú. Nesta semana, por exemplo, o banco anunciou a renovação do patrocínio ao Miami Open, com a principal propriedade do ATP Masters 1000 realizado nos Estados Unidos. Com o novo contrato, a companhia garantiu o espaço no torneio pelos próximos cinco anos, com uma série de ativações garantidas tanto nos EUA como no Brasil. Recentemente, a companhia também incluiu Gustavo Kuerten como embaixador.


Notícia Rio Open Itaú tênis banco patrocínio marketing estratégia mercado gestão Miami Open