A LaLiga, organizadora do estrelado Campeonato Espanhol, teve uma ideia curiosa para tornar a disputa cada vez mais internacional: ter um jogo oficial nos Estados Unidos. Os próprios americanos conhecem bem a prática, com partidas da NBA e da NFL fora do país. A estratégia, no entanto, nem sempre é perfeita: tirar o esporte de seus torcedores é uma prática arriscada.

Leia Mais: Para internacionalizar marca, LaLiga fará partida inédita nos EUA

Na Espanha, a primeira consequência foi vista de forma imediata: os jogadores se revoltaram com a ideia. Unidos pela Associação de Jogadores do país, os atletas das equipes têm ameaçado greve caso precisem jogar nos Estados Unidos. A questão é bem conhecida aqui: calendário apertado demais para uma viagem do tipo. Somam-se a isso os horários pouco convencionais da liga espanhola para agradar mercados distantes da Espanha, especialmente a Ásia. Nem mesmo os times que disputam o campeonato encontraram um consenso sobre o assunto.

A ânsia de tornar a liga mais internacional tem dois motivos claros. O primeiro está nos direitos de televisão, cada vez mais valorizados. A Liga Italiana, por exemplo, conseguiu dobrar a quantia recebida para vender o torneio para televisões de fora da Itália.

O segundo fator está nos patrocínios que os clubes conseguem em mercados de fora. O maior exemplo nesse caso é o Manchester United, que multiplicou seus acordos quando passou a fazer contratos específicos para países e regiões do mundo.

Parece uma fórmula perfeita, mas é necessário pensar em um equilíbrio. Tirar uma partida do próprio campo envolve abrir mão, mesmo que em uma única data, do torcedor que representa o grosso do seu faturamento. É um jogo em que o fã não terá direito à sua cadeira, ao seu camarote. Que o patrocinador não terá sua área corporativa, sua ativação no estádio. E isso pode gerar um incômodo desnecessário.

Na Espanha, os horários incomuns são um bom exemplo do tiro no pé. Pelo mercado chinês, a liga do país já teve partida realizada às 23h, em uma clara demonstração de desprezo pelo torcedor local. No fim, o mercado exterior é valorizado, mas o time tem menos público e menos audiência. E, ao final da temporada, quem paga a maior parte da conta é aquele que mora mais próximo à arena.

Como deixaram claro os jogadores, a decisão da LaLiga foi feita na base da canetada, sem diálogo com atletas e clubes. Não poderia ser feito assim de jeito nenhum. Abrir mão de um evento no esporte tem que ser muito bem pensado.


Notícia LaLiga campeonato espanhol EUA mercado americano mídia marketing patrocínio gestão