O futebol feminino ainda tem um longo caminho para se tornar um produto atrativo ao público e ao mercado. Para que isso aconteça, precisa ser mais bem tratado no Brasil, com um esforço maior de clubes e confederações. Para este ano, a CBF tornou exigência para os times da Série A terem equipes de mulheres. Mas o desenvolvimento passa longe da simples canetada.

Mesmo com o maior apelo que o futebol feminino tem tido este ano, com campanhas de Nike e Adidas para a Copa do Mundo, é difícil acreditar no crescimento em curto prazo no Brasil. Ao assistir a Ponte Preta e Corinthians pelo Twitter na estreia do Brasileirão, entende-se o porquê. O estádio era tão tosco que havia um enorme poste de iluminação na frente da câmera de TV. A cena de várzea não costuma atrair ninguém.

LEIA MAIS: Twitter fecha e dá visibilidade ao Brasileirão feminino

Curiosamente, o jogo aconteceu no mesmo fim de semana em que os times femininos de Atlético de Madrid e Barcelona duelaram no estádio Wanda Metropolitano. Com mais de 60 mil pessoas, a partida foi um recorde de público entre times de mulheres.

Não é que a Espanha seja um grande case do segmento, mas o jogo prova duas questões importantes. A primeira é que existe interesse do grande público. A segunda é que a promoção da partida, como em qualquer outro evento de entretenimento, é fundamental.

O jogo recebeu boa atenção em Madri, inclusive com publicidade da Nike, que exaltou o encontro feminino entre duas equipes patrocinadas pela marca no Campeonato Espanhol. O próprio Atlético deu maior status à partida, com ações típicas do time masculino. Como resultado, o público facilmente abraçou o evento e lotou o novo estádio madrilenho.

No Brasil, também há demonstrações de interesse do público. Basta lembrar que, em 2017, 25 mil pessoas estiveram na Arena da Amazônia, em Manaus, para assistir a Iranduba x Santos, pelo Brasileirão de futebol feminino. O número está muito longe da média da categoria, mas mostra o potencial do produto no mercado.

Infelizmente, a realidade no Brasil está muito mais próxima do estádio com o poste na câmera do que do Wanda Metropolitano ou da Arena da Amazônia. No Campeonato Brasileiro de 2018, além da falta de transmissão, a grande maioria das partidas foi disputada no período da tarde, no meio da semana. Na mera obrigação, os clubes não têm o trabalho mínimo de divulgação das partidas. Nessa falta de cuidado, de zelo básico pelo esporte, fica muito difícil sair do lugar.


Notícia Brasileirão futebol feminino Twitter transmissão mídia patrocínio marketing visibilidade divulgação mercado