Virou moda entre boa parte da imprensa e alguns especialistas em gestão esportiva usar o discurso de que o Brasil corre o risco de ver uma "espanholização" em seu futebol a partir do momento em que dois clubes passam a ganhar muito mais dinheiro de mídia do que os outros.

O uso da expressão, especialmente em meados da década passada, tinha de certa forma sua lógica. Naquela época, com a negociação individual dos contratos de televisão, somada a um plano de expansão de marca internacional, Barcelona e Real Madrid se tornaram as duas forças dominantes do futebol espanhol. A soberania era tanta que o objetivo para os demais clubes passou a ser tentar não perder deles. Como reflexo disso, o Campeonato Espanhol perdia atratividade pela falta de competitividade.

Dez anos depois, a liga espanhola comemora o aumento de público em seus estádios e, também, uma disputa cada vez mais interessante dentro de campo. Mais do que isso, celebra também a consolidação de seu campeonato como o segundo mais importante da Europa, atrás apenas da Premier League. E a tal da "espanholização" que iria matar o poder de marca?

Bom, Barça e Real se tornaram tão fortes que viraram o produto de exportação da liga espanhola. Os dois passaram a dominar não só a Espanha mas também a Europa. Além deles, times como Atlético de Madrid, Valencia e Sevilla mantiveram-se com certo protagonismo em competições europeias. Assim, a disparidade financeira começou a ser equilibrada tecnicamente. Ainda é impossível competir com Barça e Real dentro e fora de campo, mas o protagonismo da dupla tornou a LaLiga objeto de desejo do fã de futebol pelo mundo.

E o Brasil? Como está o processo de "espanholização" do nosso futebol?

Enquanto, nas duas últimas décadas, a Espanha caminhou rumo a um modelo mais sustentável, nós regredimos substancialmente. O fim de um modelo que tinha uma entidade representativa de classe dos clubes ruiu qualquer projeto para o futebol.

Hoje, temos mais dinheiro dentro do futebol brasileiro, mas com uma gestão viciada em velhos hábitos que não traduz o aumento de receita em melhora de qualidade do produto. Pelo contrário, seguimos olhando cada um seu próprio quadrado, sem se preocupar em fazer crescer o futebol como um todo.

Há 15 anos, esse era o erro da Espanha. Hoje, a LaLiga é um modelo a ser estudado pelo Brasil. Principalmente por ser um modelo de negócios muito próximo da nossa realidade como nenhum outro.


Notícia Futebol espanholização LaLiga Barcelona Real Madrid modelo de negócio mercado marketing gestão estratégia