Os fatos de domingo no Rio de Janeiro foram completamente desanimadores para quem trabalha com o esporte no Brasil. Daqueles dias em que atuar nesse mercado gera um enorme constrangimento. Ninguém quer fazer parte do patético show de horrores ocorrido no Maracanã.

Após a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, o domingo mostrou que nós ainda somos incapazes de fazer um evento simples, um jogo tradicional entre dois times, com uma taça de pouca importância para o atual momento do futebol.

E essa incapacidade não é gerada pela pouca experiência, mas pelo total amadorismo. As partes envolvidas foram mesquinhas, completamente descompromissada com qualquer coisa. Como resultado, mais cenas de violência, essa que é um dos principais fatores que mantêm o mercado esportivo em marcha lenta.

O Vasco tem direito ao Setor Sul do Maracanã desde a fundação do estádio, em um acordo histórico e tradicional no Rio de Janeiro. Ninguém pede para que as tradições sejam quebradas. O assustador é que haja a incapacidade de dois clubes, que têm basicamente o mesmo interesse, conseguirem sentar em uma mesa para chega a um denominador comum.

Isso, claro, sem contar a Justiça do Rio de Janeiro, que claramente mostrou não ter a menor ideia do que seria mais razoável para esse tipo de situação. O que, aliás, não é nenhuma surpresa.

Mas talvez o que mais indigne seja a Federação de Futebol do Rio de Janeiro. A Ferj tem, recentemente, apostado em uma modernização de sua imagem. Implementou compliance na gestão e tem investido em uma comunicação mais forte para atrair público e patrocinadores. Só que, com um caso desse, fica tudo em vão. E era papel dela, organizadora do evento, evitar esse tipo de papelão. No fim do domingo, ficaram apenas os hashtags no Twitter da entidade: #OMaisCharmoso, #OMaisVisto, #FutebolRaiz. Seriam finas ironias, se essa fosse a real intenção.

A falta de comando é o principal problema do futebol brasileiro há tempos. Hoje, os torneios não são de ninguém; não há nenhum zelo com o futebol como produto. Entre os clubes, há um espírito de cada um por si, como deixaram claro Vasco e Fluminense, sem nenhum compromisso com a sustentabilidade do negócio como um todo.

Enquanto isso não mudar, as cenas de domingo poderão ser repetidas livremente, sem preocupação com consequências em longo prazo.


Notícia Gestão Maracanã Vasco Fluminense Ferj Taça Guanabara