O Brasil tem muito o que aprender sobre futebol com a Bélgica. Assumir isso não é diminuir os méritos que a seleção brasileira conquistou em um século, mas compreender que existem modos mais profissionais e, por consequência, mais efetivos de administrar o futebol. E poucos países sabem tão bem sobre isso quanto o adversário desta sexta-feira (6).

Essa, por sinal, será a segunda oportunidade seguida de o Brasil absorver algumas das metodologias belgas. Isso porque o país que mais tem usado o modo de a Bélgica enxergar o futebol é a Alemanha, que derrotou a seleção brasileira em 2014.

Neste século, os alemães têm a mesma metodologia para o futebol de base dos belgas, além de adotarem as iniciativas semelhantes ao país vizinho para gestão do esporte em geral, com visões mais próximas do que é o trato com o torcedor.

O problema é que o Brasil, puxado pela administração da CBF, tem refutado esse tipo de evolução. O maior exemplo está na recusa da entidade ao modelo aplicado pela Double Pass, em 2015. A companhia belga é a responsável pela metodologia de futebol de base da Bélgica e da Alemanha, que resultaram no atual momento de ambas as seleções. Segundo foi vazado na imprensa, a comissão técnica da seleção brasileira da época, formada por Dunga e Gilmar Rinaldi, menosprezou o serviço da empresa.

Fundamentalmente, o que busca a Double Pass é uma padronização nas categorias de base de um país. A empresa tem uma metodologia de treinos e um nível de estrutura que uma confederação possa colocar como espelho aos clubes filiados. A recuperação da seleção alemã e a tal da “ótima geração belga”, em um período inferior a duas décadas, são provas da efetividade do trabalho.

Não é, claro, o único método e não necessariamente o melhor para se aplicar no Brasil. Mas isso não significa que o país não tenha que criar uma estrutura mais sólida e profissional para seus atletas profissionais e aspirantes a profissionais. Com enorme capacidade de revelar talentos e contínua rejeição a trabalhos de longo prazo, o país acaba por ficar muito aquém do verdadeiro potencial, o que é refletido em toda a indústria do esporte do país.

Historicamente, no futebol, grandes derrotas geram grandes mudanças. A passividade da CBF com o “7 a 1” irrita mais do que o resultado em si. A Bélgica não deve vencer a forte seleção brasileira na sexta-feira, mas quem sabe dessa vez, ao ver o nível do time formado em um país de 11 milhões de habitantes, algumas coisas possam ser pensadas por aqui.


Notícia Copa do Mundo Brasil Bélgica Double Pass Alemanha futebol de base mercado marketing metodologia gestão