O Vôlei Osasco tem mais um patrocinador e, mais uma vez, a empresa é vizinha da equipe paulista. O iFood chamou o município, que faz parte da Grande São Paulo, de "comunidade importante" para a empresa por abrigar a sede da marca. É uma relação ainda não muito comum no Brasil, mas corriqueira nos Estados Unidos, maior mercado esportivo do mundo.

LEIA MAIS: iFood reforça aposta do Vôlei Osasco em parceiros locais

O maior exemplo está nos aportes de camisa na NBA. A maioria das empresas que apostaram na exposição dos times de basquete faz parte das comunidades das equipes. Vão desde exemplos óbvios, como a Disney com o Orlando Magic, até a forte aposta da Rakuten no Golden State Warriors; a companhia japonesa se instalou em San Mateo, na região metropolitana de San Francisco, na California.

Outro exemplo claro está nos naming rights de grandes arenas. É o caso da Gillette, com sede em Boston, para o estádio do New England Patriots; ou da AT&T, que fica em Dallas e dá nome ao moderno campo do Dallas Cowboys.

A grande questão dos patrocínios locais é a cultura de ativação, muito mais presente nos Estados Unidos do que no Brasil. Se o patrocínio é baseado apenas em exposição, pouco importa onde o time joga. Mas, com um plano de ações mais maduro, a localização ganha peso. Para a AT&T, por exemplo, a possibilidade de ter iniciativas com clientes e funcionários em Dallas é muito maior do que um investimento do time em outra cidade, mesmo se for uma grande equipe.

O mercado brasileiro tem amadurecido muito nos últimos anos, e esse movimento de empresas no time do Vôlei Osasco é um sinal disso. Mesmo se o pensamento for mais relacionado a um retorno local do que propriamente a um plano de ativação com clientes, a iniciativa é válida. Afinal, uma das vantagens do patrocínio esportivo é essa possibilidade de abrir diálogos amigáveis com a própria comunidade. Faz parte do enxergar o esporte para além da simples exposição da marca.

No segundo semestre do ano passado, por sinal, houve outro exemplo significativo dessa estratégia no Brasil, quando a Fiat, com fábrica em Betim, anunciou patrocínio ao trio mineiro do futebol: Atlético, América e Cruzeiro. A ideia é basicamente a mesma.

O único problema disso, no Brasil, é que a concentração de grandes empresas no eixo Centro-Sul deverá reforçar as diferenças de atrativos entre os clubes da região. Seria mais um desafio para um mercado mais bem desenvolvido no país.  


Notícia Vôlei Osasco iFood patrocínio marketing marcas locais estratégia mercado brasileiro mercado americano Brasil EUA