Foto: Reprodução / Twitter (@giroditalia)

Uma das provas mais tradicionais da história do ciclismo, o Giro d'Italia, começará pela primeira vez fora da Europa em 2018. A cidade escolhida como ponto de partida para a 101ª edição do giro foi Jerusalém, em Israel, no dia 4 de maio. Nos dias seguintes, o país do Oriente Médio ainda receberá outras duas etapas da prova.

A primeira etapa será um cronômetro individual de 10 quilômetros em Jerusalém, que servirá para mostrar imagens das ruas da cidade, do Parlamento e dos muros históricos. A segunda começa em Haifa e segue por 167 quilômetros até chegar a Tel Aviv, e a terceira será entre Be'er Sheva e Eilat, com uma distância de 226 quilômetros a ser percorrida.

"Pela primeira vez, um Grand Tour começará fora da Europa. A internacionalização de nossos eventos e a exploração de novas fronteiras são objetivos que nos fazem olhar além das fronteiras da Itália, nunca esquecendo nossa própria história e país. O Giro precisa ser mais do que uma vitrine para promover o país italiano para o mundo", enfatizou Paolo Bellino, CEO da RCS Sport, organizadora da competição.

Já há algum tempo, algumas das principais provas do ciclismo europeu decidiram realizar etapas fora do próprio país em busca de novos públicos. O que ainda não havia acontecido era alguma prova sair do continente. Por isso, o pioneirismo do Giro d'Italia chama atenção. Ao lado do Tour de France e da Vuelta a España, a prova italiana forma o trio de giros ciclísticos mais importantes do mundo.

"Veremos cenários espetaculares, que surpreenderão tanto do ponto de vista esportivo como do ponto de vista da paisagem", declarou Mauro Vegni, Diretor do Giro d'Italia.

"Uma corrida de ciclismo em toda a Terra Santa será uma jornada fascinante através do tempo em um lugar que existe há milhares de anos. Estou certo de que será uma experiência emocionante para todos", concluiu Miri Regev, Ministro da Cultura e do Esporte de Israel.

Para se ter uma ideia da importância da prova, o Giro d'Italia possui uma lista considerável de patrocinadores, que inclui multinacionais transalpinas como Enel, Mediolanum, Segafredo e EuroSpin. Ao lado delas, com um apoio um pouco menor, estão empresas como Honda, Pinarello, Pirelli, TAG Heuer e TIM, entre outros.

A edição 2018 será disputada entre 4 e 27 de maio.


Notícia ciclismo Giro d'Italia Jerusalém Israel Europa pioneirismo