Neste sábado começa mais um Campeonato Brasileiro de futebol. Apesar de a CBF já ter tentado melhorar a gestão do torneio, ainda há muito a fazer. A Máquina do Esporte traz então dez dicas nossas para a competição evoluir.

Afinal, qual é o logotipo do Brasileirão?

1 - PLANO COMERCIAL

Criação de um plano comercial específico, que seja de conhecimento público, com cotas de patrocínios e propriedades de ativação claras. Hoje, pouco se sabe sobre isso, o que afasta ainda mais o mercado.

2 - CORPO DIRETOR

Hoje, não há quem responda pelo Brasileirão. Não há um porta-voz, não há um contato comercial único, uma assessoria de imprensa específica. Tirar o torneio do anonimato vai lhe conferir maior credibilidade.

3 - REDES SOCIAIS

O Brasileirão não tem Facebook e nem Twitter. Aplicativos do torneio, em que há uma série de ações comerciais, são só de meios de comunicação. Redes sociais geram aproximação com o consumidor, além de criar novas propriedades comerciais.

4 - IDENTIDADE VISUAL

Qual é a marca do Campeonato Brasileiro? Hoje, cada mídia usa a sua. Deveria haver um padrão com símbolos obrigatórios para uso da imprensa. Isso inclui o logotipo, a mascote, o patch usado pelos times, troféu do torneio etc.

5 - LICENCIAMENTO

Hoje, os clubes negociam cada um os seus direitos, e o Brasileirão fica sem um representante para gerar receitas. Um exemplo disso é o Cartola, Fantasy Game de enorme sucesso da Globo. Seria mais prático a empresa lidar com a organização do torneio, e não com os clubes para fazê-lo. O Brasileirão não tem produto próprio.

6 - PADRÃO DE ESTÁDIOS

Neste ano, pela primeira vez a CBF decidiu padronizar o tamanho dos gramados e investiu R$ 2,2 milhões para melhorar a qualidade da grama nos campos. É uma ótima iniciativa, que poderia se estender para itens como vestiários e iluminação, criando uma espécie de padrão Série A para os times e jogos do campeonato.

Para os gramados, CBF já tem tomado providências.

7 - SEGURANÇA

A segurança nos estádios precisa ser cada vez mais rígida, independentemente do Estatuto do Torcedor. Seria preciso ter um padrão para itens como número de câmeras, sistema de vazão de torcedores, sinalizações, divisão de torcidas. Além da segurança dos torcedores, isso evitaria punições a clubes por atos da torcida.

8 - PREMIAÇÕES

Neste ano, já tivemos um evento para marcar o lançamento do torneio. Na Arena Corinthians, casa do atual campeão, haverá também uma cerimônia formal de abertura. Poderia também ter uma festa pública de encerramento e premiações a cada rodada. Enfim, levar o Brasileirão para além do gramado, sem depender sempre da emissora de TV para fazer isso.

9 - ARBITRAGEM

Padronização e profissionalização de arbitragem é inadiável. Erros acontecem, mas juízes profissionais e mais próximos do público dão maior credibilidade à área, que há anos sofre no país. É importante, nesse sentido, dar voz ao árbitro. Realizar treinamento de mídia para criar a entrevista coletiva com equipe de arbitragem seria um primeiro meio de reduzir a polêmica.

10 - FINANÇAS

É preciso estabelecer mínimas condições financeiras para uma equipe ser elegível para disputar o torneio, a exemplo do que há no Profut, mas sem criar meios de burlar o sistema, como acontece na Europa. Isso significaria comprar uma briga grande, mas seria uma disputa fundamental para que o torneio seja mais equilibrado em campo e os times mais saudáveis.


Notícia Gestão Campeonato Brasileiro