“O departamento de marketing não é uma prioridade nos clubes brasileiros”

Ricardo Hinrichsen
Foto Ricardo Hinrichsen Ricardo Hinrichsen começou como auditor da consultoria PricewaterhouseCoopers, cargo em que trabalhou de 1989 a 1991. Depois disso, teve passagem de dois anos e 11 meses pelo Banco Nacional. Em 1994, Hinrichsen foi contratado pela Sitotsky & Associados, empresa em que esteve até 2000. Por lá, em 1996, começou a ter contato com marketing esportivo de clubes de futebol. O segmento tornou-se ainda mais presente no cotidiano de Hinrichsen a partir de 2006, quando ele começou a trabalhar no departamento de marketing do Flamengo. Ocupou no clube os cargos de diretor e vice-presidente da pasta. Depois da incursão pelo clube rubro-negro, o executivo passou dois anos e quatro meses na agência Brunoro Sport Business (BSB), empresa em que Hinrichsen foi diretor de novos negócios. Desde 2012, Hinrichsen é diretor de negócios e consultoria da Golden Goal Sports Ventures, que faz parte do Chime Sports Marketing Group.

Número do dia

30 milhões

de dólares deve investir o governo argentino para capacitar o autódromo de Buenos Aires para poder receber uma prova da Fórmula 1.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Sem Rio Open, Asics recorre a emboscada no evento
2Novo contrato entre Ferrari e Philip Morris quer “um mundo livre do fumo”
3Bayern de Munique substitui parceria com Lufthansa por Qatar Airways
4Adidas põe 3 listras em 6 das 10 camisas mais vendidas do futebol
5Entre abertas e pagas, Brasil Open fecha com quatro emissoras
6Corinthians amplia contrato com a Nike até 2029
7Milan oficializa Puma como parceira e substituta da Adidas
8Por reputação mundial, Petrobras retorna à F1 com a McLaren
9Patrocinadores diversificam ativações no Rio Open
10Rede de fast-food argentina fecha com AFA para Copa do Mundo