Foto Oliver Seitz Oliver Kawase Seitz é o primeiro brasileiro a ministrar uma aula no curso de "Football Industry" da Universidade de Liverpool, na Inglaterra. Aos 25 anos, o curitibano Seitz é formado em comunicação social com habilitação em relações públicas na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Após concluir o curso na universidade paranaense, Seitz fez pós-graduação em administração para profissionais do esporte pela Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP). Além disso, o acadêmico se especializou em comunicação empresarial pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Após concluir seus estudos no Brasil, Oliver Seitz se mudou para Liverpool, na Inglaterra, onde passou a ser pesquisador do Grupo de Indústria do Futebol, posto que ainda ocupa dentro da Universidade de Liverpool. Além disso, Seitz se tornou professor-assistente do módulo "Football Business in Britain" ("Negócios do Futebol na Inglaterra") também na Universidade de Liverpool. No último dia 14 de fevereiro, Seitz tornou-se o primeiro brasileiro a lecionar no curso da universidade britânica, expondo o caso do desenvolvimento do futebol como negócio no Brasil.

Número do dia

30 milhões

de dólares deve investir o governo argentino para capacitar o autódromo de Buenos Aires para poder receber uma prova da Fórmula 1.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Sem Rio Open, Asics recorre a emboscada no evento
2Novo contrato entre Ferrari e Philip Morris quer “um mundo livre do fumo”
3Bayern de Munique substitui parceria com Lufthansa por Qatar Airways
4Patrocinadores diversificam ativações no Rio Open
5Adidas põe 3 listras em 6 das 10 camisas mais vendidas do futebol
6Corinthians amplia contrato com a Nike até 2029
7Entre abertas e pagas, Brasil Open fecha com quatro emissoras
8Por reputação mundial, Petrobras retorna à F1 com a McLaren
9Argentina negocia para voltar a receber Fórmula 1 em 2019
10Barcelona acredita em 1 bilhão de euros em receitas antes de 2021