“Presidente da CBT diz que entidade não fez nada para aproveitar Era Guga e que pretende usar atleta para promover o esporte”

Jorge Lacerda da Rosa
Foto Jorge Lacerda da Rosa Formado em Direito, Jorge Lacerda da Rosa tem um escritório em Florianópolis, atualmente comandado por seu irmão, também advogado. Em 2004, assumiu a presidência da Confederação Brasileira de Tênis (CBT). Nascido na cidade de Tubarão, em Santa Catarina, iniciou sua trajetória no esporte aos nove anos, quando começou a jogar tênis. Conquistou o tricampeonato estadual, participou de diversas competições nacionais e disputou os Jogos Abertos do Interior de São Paulo. A militância política no tênis teve início com o cargo de diretor de 1a classe da federação catarinense. Dois anos depois, sem que o presidente da entidade tivesse conseguido fazer seu sucessor, decidiu sair do esporte. A volta ao tênis coincidiu com o retorno à direção da entidade do grupo político que comandava a modalidade em Santa Catarina na época em que foi diretor da FCT. Novamente na liderança, Jorge Lacerda da Rosa ajudou na organização de duas Copas Davis no estado. Além disso, implantou o tênis comunitário na região.

Número do dia

350 mil

euros deve receber cada jogador da Alemanha por uma eventual conquista da Copa do Mundo de 2018, disse a federação alemã.

Autoline

Patrocinado por



Boletim
Capa Boletim Boletim Máquina do Esporte

Receba o Boletim Máquina do Esporte por email

Cadastre-se Agora

Mais lidas

1Disney compra parte da Fox em transação bilionária e cresce no esporte
2Globo bate recorde de audiência no RJ com o Flamengo
3Análise: Fox decide abrir mão de briga do streaming
4Puma vibra com conquista do Independiente na Sul-Americana
5Corinthians fecha com Kalunga para Beach Soccer
6Corinthians amplia contrato com a Nike até 2029
7Bundesliga cria regra, e clubes terão funcionários dedicados aos torcedores
8Fifa ameaça tirar a Espanha da Copa do Mundo de 2018
9Mineirão quer receber eventual final única da Libertadores em 2019
10Análise: Final marca de vez a crise do Maracanã